icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/07/2014
14:07

A Autoridade Pública Olímpica (APO) divulgou nesta terça-feira uma atualização da Matriz de Responsabilidades para a Olimpíada do Rio-2016. O documento tem como função relacionar orçamentos e cronograma de obras de 52 projetos ligados aos Jogos, a maioria deles de construção e adequação de arenas esportivas para o evento.

A principal mudança em relação à última divulgação da matriz, em janeiro, foi sobre a evolução nas construções do Complexo Esportivo de Deodoro, que receberá 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas em 11 instalações. Algumas obras no local, que estão entre as mais atrasadas da Olimpíada, começaram apenas neste mês.

Com a assinatura de contratos e o início das operações em Deodoro, a Matriz de Responsabilidades teve a atualização e um aumento no orçamento, que já era esperado. Agora, o valor previsto para a execução dos 52 projetos (que engloba instalações em Deodoro, no Parque Olímpico, em Copacabana e na região do Maracanã) passou de R$ 5,6 bilhões para R$ 6,5 bilhões. Um acréscimo de R$ 900 mil.

Deste valor, R$ 4,2 bilhões vieram do setor privado, e os outros R$ 2,3 bilhões de verba pública.

- Os entes públicos estão comprometidos com a organização de uma Olimpíada enxuta e eficiente - disse o general Fernando Azevedo e Silva, presidente da APO.