icons.title signature.placeholder Bruno Grossi
15/03/2014
15:05



Rivaldo sempre se destacou por ser um meia completo. Além de organizar as jogadas de ataque, o pentacampeão se notabilizou por aparecer na grande área como elemento surpresa e por chutes de longa distância, características que resultaram em 417 gols em 24 anos de carreira profissional. O ídolo, no entanto, se aposentou neste sábado amargando jejum de 13 meses sem balançar as redes.

Na temporada passada, Rivaldo foi anunciado pelo São Caetano como grande reforço após passar um ano no futebol angolano pelo Kabuscorp. Logo na estreia pelo Azulão, no dia 9 de fevereiro, o meia marcou um dos gols no empate em 2 a 2 com o Corinthians no Pacaembu pelo Campeonato Paulista. Na partida seguinte, sete dias depois, a vítima foi o Bragantino, também pelo estadual.

O São Caetano recebeu o Massa Bruta no Anacleto Campanella e saiu em desvantagem graças a gol do centroavante Lincom aos dez minutos de jogo. Aos 32, Rivaldo apareceu na área para completar cruzamento da esquerda, dividiu com o goleiro rival e cabeceou para a meta vazia. A festa, porém, foi atrapalhada por novo tento de Lincom, já nos acréscimos do confronto em São Caetano do Sul.

Desde então, Rivaldo disputou também a Série B do Campeonato Brasileiro pelo Azulão e o Campeonato Paulista pelo Mogi Mirim, clube no qual é presidente. Foram quatro partidas pelo Sapão na atual temporada, incluindo jogos ao lado do filho e atacante Rivaldo Júnior. A despedida dos gramados foi anunciada uma semana após o meia completar 900 jogos oficiais na carreira.

A melhor marca de Rivaldo como artilheiro foi com a camisa do Barcelona. Em 235 partidas, o pernambucano de Paulista anotou 130 gols e foi eleito o melhor do mundo pela Fifa em 1999. Já a média mais alta saiu nos dois anos em que esteve no Palmeiras: 60 tentos em 97 jogos. Pela Seleção Brasileira, disputou duas Copas do Mundo, incluindo o título em 2002, 74 partidas e 34 gols.

Polêmicas e mágoas! Relembre os últimos anos da carreira de Rivaldo