icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
10/04/2014
14:31

O Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu enviar ao Brasil um "solucionador de problemas" na próxima semana, como parte de uma série de medidas de emergência para combater os atrasos que ameaçam os Jogos Olímpicos de 2016, a serem realizados no Rio de Janeiro. Gilbert Felli, diretor executivo dos Jogos Olímpicos, virá ao Brasil meses antes do previsto para trabalhar exclusivamente no Rio.

De acordo com o presidente do COI, o alemão Thomas Bach, forças-tarefa também serão enviadas ao Rio em função dos problemas na cidade, entre eles, a greve dos trabalhadores do Parque Olímpico. Nesta quarta, Bach havia apoiado as críticas feitas pelas Federações Internacionais Olímpicas de Verão, que, na terça-feira, começaram a cogitar a criação de um plano B para algumas instalações esportivas.

- Nós acreditamos que o Rio pode e vai realizar os Jogos muito bem se essas medidas apropriadas forem tomadas agora. O que posso dizer de forma categórica é que continuaremos fazendo de tudo para fazer destes Jogos um sucesso - falou Bach, em entrevista coletiva na Turquia.

Felli iria começar a trabalhar exclusivamente no Rio somente em agosto, quando saísse de seu cargo executivo no COI.

- Nós não estamos indo lá (Rio de Janeiro) para apontar o dedo a ninguém. Acreditamos que todo o potencial está lá. Estamos indo lá para fazer parte da equipe que vai realizar os Jogos - disse Felli.

O COI ainda informou que pretende vir com mais regularidade ao Brasil para coordenar o andamento dos preparativos. Bach ainda sugeriu um orgão que possa tomar decisões rápidas. O dirigente alemão disse que as medidas foram bem recebidas pelo prefeito Eduardo Paes, que já participou de uma videoconferência com membros do COI.

- Esta não é uma medida imposta pelo COI. Estamos facilitando em muitos aspectos. Nós estamos ajudando, tentando dar o exemplo. É melhor assim do que simplesmente colocar pressão - concluiu Bach.