icons.title signature.placeholder Michel Castellar
26/02/2015
21:57

Vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) e presidente do Comitê Olímpico da Austrália, John Coates, revelou nesta quinta-feira o motivo que o levou de crítico a entusiasta da organização dos Jogos Rio-2016: dinheiro. De acordo com o dirigente, as obras na capital fluminense tiveram um enorme progresso desde o ano passado, quando falou mal da organização brasileira.

- O dinheiro passou a circular. E o Rio fez um grande progresso - disse Coates, durante o primeiro dia de reuniões do Comitê Executivo do COI, em um hotel da Zona Sul.

Na percepção de Coates, as obras avançaram porque os recursos necessários para as obras começaram a ser liberados pelos entes públicos e isso foi fundamental para a sua mudança de postura. Em abril do ano passado, o australiano disse nunca ter vivido situação parecida em uma organização de Jogos Olímpicos.

- É a pior situação que já vivi. O COI formou uma força-tarefa especial para tentar acelerar os preparativos, mas a situação é crítica. Pior até que em Atenas em 2004. Em Atenas tínhamos que tratar com um governo e algumas responsabilidades municipais. Aqui (Rio) há três. Existe pouca coordenação entre o governo federal, o estadual e o municipal, que é responsável por grande parte da construção – disse Coates, durante um Fórum Olímpico realizado na Austrália, em 2014.

Coates chegou ao Rio no sábado e, à noite, acompanhou os desfiles das escolas de samba campeãs do grupo Especial. Na segunda-feira, o australiano iniciou sua participação nas reuniões da Comissão de Coordenação do COI para os Jogos Rio-2016, que encerrou na quarta-feira suas atividades.

A previsão é a de que Coates deixe a capital fluminense no domingo, um dia após o encerramento das reuniões do Comitê Executivo do COI, iniciadas na manhã desta quinta-feira.