icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
30/07/2013
08:22

O processo que quase fez com que o Parque Aquático Júlio de Lamare, no Rio de Janeiro, fosse demolido, por conta de obras para a Copa de 2014, causou um racha entre dois dos dirigentes mais importantes do esporte brasileiro. A posição de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), neste caso revoltou Coaracy Nunes, mandatário da Confederação Brasileira de Esportes Aquáticos.

- Por que eu briguei com o Nuzman? Eu briguei, mesmo. Não falo com ele há cinco meses. Nunca mais fui à reunião alguma no COB. Isso porque o Nuzman falou nos jornais que era favorável à destruição do Célio de Barros e do Júlio de Lamare. Na hora em que ele diz isso, ele tem muito prestígio. Assim, o processo foi desencadeado e eu tive de recorrer a liminares e etc. - disparou Coaracy.

O presidente da CBDA atendeu aos jornalistas brasileiros nesta terça-feira durante o Mundial de Esportes Aquáticos em Barcelona (ESP). Nesta segunda-feira, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, suspendeu a demolição do De Lamare.

A bronca de Coaracy com o COB não para por aí. De acordo com ele, a chefia da CBDA não tem sido ouvida pelos representantes do comitê. Irritado com a situação, Coaracy disse que está há cinco meses sem conversar com o presidente do COB.

- Foi muito legal o governador Sérgio Cabral me ligar. Ligar para um presidente de confederação que tem sido ignorado nas outras instâncias do esporte no Brasil, as que cuidam dos Jogos Olímpicos. Nós não estamos sendo ouvidos em nada. Quem mais do que nós que entende de esportes aquáticos neste país? - indagou Coaracy.

O processo que quase fez com que o Parque Aquático Júlio de Lamare, no Rio de Janeiro, fosse demolido, por conta de obras para a Copa de 2014, causou um racha entre dois dos dirigentes mais importantes do esporte brasileiro. A posição de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), neste caso revoltou Coaracy Nunes, mandatário da Confederação Brasileira de Esportes Aquáticos.

- Por que eu briguei com o Nuzman? Eu briguei, mesmo. Não falo com ele há cinco meses. Nunca mais fui à reunião alguma no COB. Isso porque o Nuzman falou nos jornais que era favorável à destruição do Célio de Barros e do Júlio de Lamare. Na hora em que ele diz isso, ele tem muito prestígio. Assim, o processo foi desencadeado e eu tive de recorrer a liminares e etc. - disparou Coaracy.

O presidente da CBDA atendeu aos jornalistas brasileiros nesta terça-feira durante o Mundial de Esportes Aquáticos em Barcelona (ESP). Nesta segunda-feira, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, suspendeu a demolição do De Lamare.

A bronca de Coaracy com o COB não para por aí. De acordo com ele, a chefia da CBDA não tem sido ouvida pelos representantes do comitê. Irritado com a situação, Coaracy disse que está há cinco meses sem conversar com o presidente do COB.

- Foi muito legal o governador Sérgio Cabral me ligar. Ligar para um presidente de confederação que tem sido ignorado nas outras instâncias do esporte no Brasil, as que cuidam dos Jogos Olímpicos. Nós não estamos sendo ouvidos em nada. Quem mais do que nós que entende de esportes aquáticos neste país? - indagou Coaracy.