icons.title signature.placeholder LEONARDO PEREIRA
20/11/2014
23:42

Buenos Aires viveu uma noite de Guerra Fria no choque entre Boca Juniors e River Plate. Nesta quinta-feira, na Bombonera, os times praticamente se recusaram a atacar o adversário. No primeiro duelo da semifinal da Copa Sul-Americana, os gigantes da Argentina fizeram um clássico morno, sem emoção. No final, empate sem gols para reforçar a falta de intensidade dos rivais.

Para não classificar o Superclássico de enfadonho, as entradas violentas e o número de cartões amarelos animaram um pouco o embate.

No dia 27, na próxima quinta-feira, o River receberá o Boca Juniors precisando da vitória para ir à final. Qualquer igualdade com gols leva o Xeneize à decisão contra São Paulo ou Atlético Nacional, da Colômbia.

Torcida do Boca Juniors deu show na Bombonera (Foto: Alexandre Pagni/AFP)


O JOGO

Se o Boca Juniors tivesse a mesma garra e intensidade da torcida teria deixado o campo com uma goleada sobre o River Plate. O time da casa não acompanhou a arquibancada e, apesar de frequentar mais o campo de defesa do adversário, não conseguiu assustar o goleiro Barovero.

Do outro lado, um River Plate nulo, sem chegada. O atual campeão argentino não deu um chute a gol em cerca de 60 minutos. O atacante Gio Simeone, filho do técnico Diego Simeone, não conseguiu tocar na bola e sumiu em La Boca.

Para quem esperava guerra, à exceção de um único desentendimento, a etapa inicial terminou com os dois times esticando uma bandeira branca de paz.

No segundo tempo, o River até tentou fazer uma graça, mas seguiu sem disparar contra o gol adversário e se preocupou em não deixar o Boca Juniors jogar. A equipe da casa também não se esforçou para elevar o tamanho do clássico.

Nem River Plate nem Boca Juniors mereceram uma sorte maior na partida desta quinta-feira. Quem sabe o duelo do Monumental de Núñez não tenha um enredo diferente.

[[GAL:LANPGL20141120_0007]]