icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
03/02/2015
10:02

Inspirado em Fred, ex-companheiro de Fluminense, Chiquinho comemorou seu primeiro gol pelo Santos mandando corações para a torcida. Contudo, o novo lateral-esquerdo alvinegro vibrou várias outras vezes na partida contra o Ituano, domingo, na Vila Belmiro. A cada desarme, “bicão” para a lateral ou posse de bola recuperada, ele festejou, contagiando companheiros e torcedores.

E o ritmo será mantido! Em entrevista ao LANCE!, Chiquinho disse que pretende seguir chutando de longe e tentará anotar mais vezes, mas evitou criar expectativa por novos gols. A promessa foi outra: muita entrega e vibração!

– Esse é meu estilo, a torcida e até vocês, jornalistas, vão ver: não desisto de jogada alguma. Quero ajudar o Santos, dar o meu melhor. Vou me doar até a última gota de sangue e de suor – disse o jogador de 25 anos, que ainda completou:

– Minha promessa é essa, muita entrega, mas é claro que se aparecer oportunidade de falta ou uma chance de chutar de longe, vou dar o meu melhor e buscar o gol. Sei que tenho que dar a bola para os atacantes, esse é meu papel, mas vou tentar marcar também.

Com contrato de empréstimo de um ano, o ala conseguiu fazer na estreia o que Mena, seu antecessor na posição, não conseguiu em 62 partida pelo clube: balançar a rede.

Chiquinho tem, no mínimo, mais dois jogos (contra Mogi Mirim e Red Bull) para mostrar trabalho até a volta de Caju da Seleção sub-20 – o torneio acaba sábado. O garoto vinha sendo titular da posição e é o concorrente direto dele por vaga na equipe. No entanto, o camisa 23 minimiza a disputa e ainda lembra que pode atuar no meio.

– Sei da qualidade do Caju, garoto jovem e muito bom. Vou dar o meu melhor enquanto ele estiver na Seleção, quero fazer bons jogos, com a cabeça tranquila e humildade sempre. Onde o professor Enderson pedir, vou ajudar, seja na lateral ou mais avançado. Será uma disputa sadia – comentou.

- Bate-bola com Chiquinho, lateral-esquerdo do Santos, ao LANCE!Net:

A sua comemoração, mandando corações para a torcida, foi inspirada no seu ex-companheiro Fred?
Eu aprendi muito com ele no Fluminense. É um cara de excelente caráter, amigo... Fiz o gol e imitei o coração. Foi para essa torcida maravilhosa, que estava me apoiando e também o time todo.

Quando chegou ao clube, você exaltou bastante a torcida santista e a Vila. Como foi a estreia?
Quando eu entrei no vestiário já bateu um pouco de nervosismo, ouvi a torcida gritando... Depois, ao entrar no campo, me arrepiei ao ver aquela torcida maravilhosa. Quando gritaram meu nome foi muita alegria, ainda mais depois do gol, que a cada jogada eles gritaram e aplaudiram.

Como está o clima no grupo agora sem os problemas salariais?
Quando eu cheguei aqui fui muito bem recebido por todos. Por incrível que pareça eu achei que o clima estaria pesado, mas não, está ótimo. Robinho, Geuvânio e Lucas Lima deixam o clima bem descontraído.