icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/02/2015
17:49

O Chelsea parece mesmo disposto a fazer tudo para combater o recente caso de preconceito de alguns de seus torcedores no metrô de Paris. Após o jogo contra o PSG, alguns ingleses impediram um indivíduo negro de entrar no trem, e falaram ter orgulho de serem racistas. Nesta sexta-feira, os Blues anunciaram que identificaram mais dois dos acusados, e que ambos estão banidos do Stamford Bridge.

Desta forma, já são cinco dos torcedores que estavam na estação de metrô a serem identificados e banidos. Na entrevista coletiva de José Mourinho desta sexta-feira, o português deixou o jogo de sábado contra o Burnley de lado e falou muito sobre o incidente na França.

- Eu me senti envergonhado quando soube. Mas repito: sou técnico do Chelsea com orgulho porque sei o que o clube significa e que essas pessoas não representam o clube. Não acredito que pessoas que não sejam brancas deixem de frequentar o clube agora, todos sabem o que o Chelsea é e defende - disse Mourinho:

- Senti vergonha, mas talvez não deveria. Eu me recuso a estar conectado com essas pessoas. Eu deixei o chelsea em 2007 e mal pude esperar para voltar, mas não quis voltar por causa dessas pessoas.

Mourinho ainda garantiu que não é apenas ele que tem esse sentimento, mas também os seus jogadores. O português lembrou que o próprio time tem muita diversidade e que luta pela igualdade.

- Os jogadores tiveram a mesma reação. No Chelsea temos 12 ou 14 jogadores que são africanos ou têm conexão com a África. Por todos esses anos, mesmo sem eu estar aqui, tenho certeza que esse vestiário sempre teve grandes princípios de igualdade. Nós temos de tudo, absolutamente tudo, não apenas raça, mas também religião.