icons.title signature.placeholder Thiago Perdigão
01/02/2015
08:00

Marshawn Lynch e o Seattle Seahawks estão de volta ao Super Bowl. Pela primeira vez desde a temporada de 2004, um time chega duas vezes seguidas à final. O curioso é que o New England Patriots, rival deste domingo as 21h30 (horário de Brasília), foi o último time que conseguiu tal feito. A partida que será realizada no University of Phoenix Stadium terá transmissão em tempo real no LANCE!Net.

Para o Seahawks vencer o jogo, a receita é “simples”. Correr com a bola e manter o forte ataque do Patriots fora de campo. Obviamente, não é uma tarefa simples. Mas Seattle tem boas armas para isso.

A começar pelo running back Marshawn Lynch, um dos melhores da liga. Não é o líder de jardas da NFL, mas consegue muitas jardas depois do contato. Em uma final, isso será fundamental.


Marshawn Lynch em ação pelo Seahawks: running back é um dos pilares do time para o Super Bowl (Foto: AFP)

Para estabelecer o jogo corrido, Lynch terá uma grande ajuda: o quarterback Russell Wilson. Ele não jogou bem há duas semanas na final da Conferência Nacional contra o Green Bay Packers, é verdade, mas no fim lançou o touchdown da vitória.

Wilson e sua mobilidade deve criar problemas ao defensores do Patriots. O time não enfrentou tantos quarterbacks com essa característica em 2014 e, quando aconteceu, sofreu um pouco. Se o jogo corrido não funcionar, o quarterback de Seattle tem condições de vencer “no braço”, mas seu corpo de recebedores precisará jogar melhor e, sobretudo, com mais consistência.

Mas se o ataque não funcionar tão bem, o Seahawks pode contar com a sua defesa, uma das melhores da história. Seattle sabe que Tom Brady não se sente confortável quando os rivais chegam nele. A linha ofensiva de New England tem feito um bom trabalho, mas neste domingo em Glendale, no Arizona, essa missão será mais difícil.

E se Brady conseguir sair dessa pressão e lançar, será divertido ver o trabalho da Legião de Boom, comandada por Richard Sherman, o melhor cornerback da NFL, & Cia.

Ano passado, o Seahawks sobrou no Super Bowl. Agora será mais difícil criar a dinastia. Esse time, que brilhou muito nos últimos anos, vive seus últimos momentos com essa formação. E terá uma oportunidade de ouro para se garantir de vez na história!