icons.title signature.placeholder Bruno Grossi
21/07/2014
12:30

A derrota por 1 a 0 para a Chapecoense não foi a primeira em que o São Paulo, sob o comando de Muricy Ramalho, teve dificuldades para escapar de retrancas. Desde que o técnico reassumiu o comando no fim do ano passado, o Tricolor sucumbiu diante da Ponte Preta na semifinal da Copa Sul-Americana e do Penapolense nas quartas de final do Campeonato Paulista. Ambas no Morumbi e com o time entregue ao ferrolho adversário.

O LANCE!Net, então, relembrou as estratégias utilizadas pelos times paulistas para derrubar os são-paulinos. É possível identificar semelhanças com a postura adotada pela Chapecoense, como a aposta em três volantes e a insistência dos tricolores em cruzar bolas na área para consagrar os goleiros rivais.

PONTE PRETA - Copa Sul-Americana de 2013
Campeão em 2012, o São Paulo chegou como grande favorito na semifinal do ano posterior, mesmo em má fase. A Ponte Preta, já rebaixada no Campeonato Brasileiro, jogou sem responsabilidades e apostou em formação com três volantes. Jorginho prendeu Baraka quase como um terceiro zagueiro e Fernando Bob como xerifão no meio de campo.

Fellipe Bastos, como terceiro volante, tinha três opções para jogar: tabelar com Elias, passar em profundidade para Rildo ou fazer ligação direta com o centroavante Leonardo. Diante do apático São Paulo, a Macaca tomou conta do jogo no Morumbi e venceu por 3 a 1. No jogo de volta, realizado em Mogi Mirim após veto polêmico ao Moisés Lucarelli, empate em 1 a 1 eliminou o Tricolor.

PENAPOLENSE - Campeonato Paulista de 2014
Após início irregular no Paulistão, o São Paulo chegou às quartas de final embalado por boas atuações contra Osasco Audax, Corinthians e CSA-AL, este último na Copa do Brasil. As credenciais, no entanto, não foram suficientes para despachar o surpreendente Penapolense. O técnico Narciso, assim como Jorginho havia feito em 2013, escalou três volantes para minar a criação do Tricolor.

Liel e Washington ficaram mais presos na marcação, enquanto o hoje corintiano Petros tinha mais liberdade para ajudar o meia Guaru. A retranca armada no Morumbi deixou o São Paulo nervoso em campo e levou a decisão para os pênaltis. O goleiro Samuel, confiante após levar a melhor em cruzamentos durante o jogo, foi decisivo na classificação.

CHAPECOENSE - Campeonato Brasileiro de 2014
No último sábado, a Chapecoense povoou ainda mais o meio de campo para atrapalhar o setor que fez a diferença para o São Paulo contra o Bahia. Wanderson e Dedé dificilmente foram vistos no ataque, enquanto Ricardo Conceição se soltou para apoiar Camilo e Neném e acabou marcando o gol da surpreendente vitória.

Os tricolores, então, investiram em jogadas pelos lados, mas esbarraram no bom marcador Fabiano na direita. Na esquerda, Rodrigo Biro foi protegido pelo grandalhão Rafael Lima. Biro e o zagueiro Jaílton, inclusive, estiveram em campo pelo Penapolense no Paulistão.