icons.title signature.placeholder Leo Burlá e Michel Castellar
07/03/2014
16:00

Ricardo Trade, CEO do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL), não tem dúvidas: a qualidade dos gramados do estádios, dos Campos Oficiais de Treinamento (COT) e dos Centros de Treinamentos de Seleções (CTS) serão um dos grandes legados da Copa.

Em entrevista ao LANCE!Net, o dirigente disse que o tema recebe uma atenção especial de sua parte.

- Tirei verba de outras áreas e contratei seis engenheiros agrônomos. Mexi, tirei do meu orçamento pessoal da diretoria. E acho que vou ficar muito orgulhoso do resultado - assegurou.

Trade ressaltou que a qualidade de gramados exigida para torneios da Fifa era algo inédito no Brasil, e que isso gerou alguns desencontros ao longo do processo:

- Não adianta. É outra realidade. A primeira coisa que tem de fazer é ou procurar alguém que entenda ou você continua batendo na tecla de que não precisa. Não tem como fazer sem luz suplementar. Bate sombra na grama. Então, se tem sombra no estádio vai prejudicar o crescimento da grama. Ela não vai crescer na mesma tonalidade e qualidade da outra, porque ela vive de fotossíntese.

Durante a Copa das Confederações, alguns gramados foram bastante criticados pela seleções. O COL aumentou a sua equipe na área para evitar novos dissabores na Copa-2014.