icons.title signature.placeholder Bruno Grossi e Bruno Uliana
15/11/2014
08:01

Quando viu as defesas milagrosas de Rogério Ceni contra a Universidad Católica (CHI) na Copa Sul-Americana do ano passado, Muricy Ramalho teve uma ideia. Com discrição, passou a disseminar pelo CT da Barra Funda e pelo Morumbi uma campanha que se tornaria popular na internet como #nãoparaRogério e se provaria eficaz. Mais de um ano depois, o técnico prova que não pisa em falso e joga mais uma vez a semente para convencer o Mito a ficar em 2015.

A coletiva de ontem no CT da Barra funda foi o maior exemplo. Muricy rasgou elogios ao capitão são-paulino e colocou em dúvida a aposentadoria, antes dada como definitiva para dezembro deste ano. Os discursos de Ceni nas preleções e após as partidas continuam a bancar a decisão de parar, mas na comissão técnica e na diretoria ninguém ouviu a palavra definitiva do ídolo sobre o assunto.



– Às vezes a gente conversa, mas ele nunca chamou ninguém para dizer que vai parar mesmo e dar as razões para isso. Não teve essa conversa. Esperamos que esses últimos dias ele aproveite ao máximo. É com ele agora. Cada um tem opinião própria, e por mim ficava. Rogério Ceni é o Mito, é o São Paulo. Mas a ideia é dele – opinou o preparador de goleiros Haroldo Lamounier ao LANCE!Net.

O presidente Carlos Miguel Aidar mantém a versão de que não houve um pronunciamento oficial de Rogério, mas tende a acreditar que a aposentadoria é mais factível do que a permanência, já que as festas e homenagens preparadas para o adeus já estão sendo feitas pelo clube.

– Não tive conversa, não formulei pedido. A informação que tenho é que ele para. Como torcedor, quero ele sempre conosco. Nosso marketing está preparando algo importante, para ficar marcado. Sei que o projeto dele é parar, mas é dele tomar a iniciativa – disse Aidar.

Entre os torcedores, as opiniões são divididas. A maioria dos leitores do L!Net, por exemplo, é a favor da permanência de Ceni para a disputa da Copa Libertadores da América, mas há quem torça para que o Mito pare em alta em 2014.


No Morumbi, a aposentadoria já parecia fazer as fichas começarem a cair. Os gritos de “ô, ô, ô, não para, Rogério!” deram lugares a coros de incentivo ao reserva Denis, aposta do clube para substitui-lo em 2015.

Tudo está nas mãos de Ceni.