icons.title signature.placeholder Marcio Porto
16/11/2014
08:02

Rogério Ceni escreve neste domingo mais um importante capítulo de sua gloriosa carreira. Um capítulo final, desde que mantenha a ideia de se aposentar. Contra o Palmeiras, às 19h30, o goleiro disputará seu último clássico no Morumbi. A despedida soa triste, já saudosa para os são-paulinos, mas o mix de rival e palco ideal animam.

Ceni disputará seu centésimo clássico no Morumbi. Mais venceu do que perdeu neste tipo de confronto, sobretudo contra o Palmeiras. Enfrentou seu rival “preferido” 31 vezes no estádio, venceu 16 e perdeu apenas cinco. No palco, marcou seis dos sete gols em sua principal vítima, ao lado do Cruzeiro.

Rogério nunca escondeu sua predileção pelos clássicos, sobretudo contra Corinthians e Palmeiras. Este ano, não pôde ser despedir do Majestoso, já que estava machucado no confronto do segundo turno, na Arena Corinthians. O Tricolor perdeu.

O Palmeiras, neste ponto, ocupa posição especial pela freguesia para Ceni. O maior rival para o goleiro é o Corinthians, mas foi contra o time de verde que ele desfrutou de mais momentos vitoriosos. Em duas Libertadores, 2005 e 2006, marcou gols muito importantes em fase decisivas.

Depois deste domingo, o goleiro ainda terá a oportunidade de disputar mais um clássico, contra o Santos, na Arena Pantanal, em Cuiabá. Mas, no Morumbi, nunca mais sentirá o gostinho especial deste tipo de embate, da rivalidade nas arquibancadas.

O jogo  também pode significar o último respiro do São Paulo na esperança de conquistar o distante Campeonato Brasileiro. Com quatro pontos a menos e um jogo a mais do que o líder Cruzeiro, uma vitória hoje seguida de tropeço dos mineiros deixaria a diferença em apenas um ponto.

Vencer tornou-se uma obsessão na carreira de Rogério Ceni, competitivo por essência. Por isso, não lhe cai bem o dissabor de ter retrospecto negativo contra o Corinthians. Foram 43 jogos, com 11 vitórias, 16 empates e 16 derrotas, isso apenas em jogos no Morumbi.

O Morumbi é a casa do São Paulo, é a casa de Ceni. E o são-paulino espera uma despedida em alto estilo, como o goleiro se acostumou a fazer. Azar do Palmeiras.

NO PALMEIRAS, NO MORUMBI

1

Pelo Campeonato Paulista de 1999. Ceni marcou de pênalti no empate em 4 a 4. Marcos, um de seus rivais preferidos, era o goleiro do Palmeiras.

2

Pelo Torneio Rio-São Paulo de 2002, goleiro marcou seu primeiro gol de falta contra o rival. Jogo terminou empatado em 2 a 2. Marcos era o goleiro.

3

Pelo Paulistão de 2005, Ceni marcou de falta um dos gols na goleada por 3 a 0. Sérgio era o goleiro do Palmeiras. Tricolor sagrou-se campeão do torneio.

4

Já na Libertadores do mesmo ano, Ceni marcou de pênalti, na vitória por 2 a 0, que garantiu o Tricolor nas oitavas de final da Copa Libertadores. Marcos foi a vítima.

5

Em 2006, situação se repetiu. De pênalti, marcou na vitória de 2 a 1 pelas oitavas de final da Libertadores. São Paulo avançou. Sérgio era o goleiro.

6

O último tento de Ceni contra o Palmeiras no Morumbi foi anotado em abril de 2007, pelo Campeonato Paulista. O goleiro marcou de pênalti na vitória por 3 a 1. Diego Cavalieri, hoje no Fluminense, virou o terceiro goleiro do Palmeiras vítima do capitão.