icons.title signature.placeholder Carlos Eduardo Sangenetto
12/04/2014
11:56

 

Antes da premiação do melhores atletas do ano do vôlei de praia, na noite desta sexta-feira, em Salvador, o presidente da Confededação Brasileira de Vôlei, Walter Pitombo Laranjeiras, o Toroca, fez um desabafo na frente de dirigentes, comissão técnica e jogadores sobre as denúncias de irregularidades financeiras na entidade feitas pela ESPN Brasil. E mais, anunciou a contratação da Fundação Getúlio Vargas (FGV) para um novo modelo de gestão na CBV.

- Tivemos uma reunião com o Banco do Brasil, que sugeriu que algumas medidas fossem tomadas para que a crise no vôlei fosse debelada. Entre elas, a contratação de um modelo novo de administração e concordamos. Nós resolvemos contratar a Fundação Getúlio Vargas para que instituisse esse modelo de gestão - anunciou Toroca após um discurso de dez minutos.

MAIS VÔLEI DE PRAIA:
> Talita e Emanuel são eleitos os melhores da temporada

GALERIA DE FOTOS:
> Veja como foi a premiação dos melhores do vôlei nas areias

L!TV:
> Emanuel recebe homenagem e pede melhora do vôlei

As denúncias continuaram em pauta. Avelar Matias, gerente executivo do Banco do Brasil, que patrocina o vôlei brasileiro, também falou aos presentes. Angustiado, ele demonstrou desejo na continuidade da parceria, mas deixou bem claro que quer uma resposta sobre as denúncias feitas.

- Precisamos dessa resposta, queremos uma satisfação. Desde a semana que surgiram essas denúncias, o Banco do Brasil tem se colocado ao lado da CBV nessa condição de nuvem cinzenta que todos estão passando. Não há como não admitir que é uma crise que precisa ser encarada. Para isso, precisamos construir uma nova pauta. Não existe a menor possibilidade das coisas continuarem como estão - disse Avelar.

O campeão olímpico Emanuel, que foi homenageado pela CBV na cerimônia dos melhores da temporada, também não fugiu do assunto e fez um apelo para valorização do vôlei nacional:

- Estou muito satisfeito e com vontade de estar com vocês por mais tempo. Vamos fazer esse esporte algo muito mais valoroso. Acho que agora todos nós temos um trabalho a mais, o pessoal do operacional, os atletas, comissão técnica, o próprio novo comitê de gestão que vai vir para CBV. Vamos melhorar o vôlei - pediu o veterano de 40 anos.