icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
03/04/2014
13:23

A modernização da Granja Comary agrada pelas instalações de primeiro mundo. Mas a reforma na sede oficial da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo está apagando um capítulo importante da história. É o que garante Maria Luiza Puentes Nunes, viúva de Heleno de Barros Nunes, um dos reponsáveis pela construção do complexo em Teresópolis (RJ).

O Almirante Nunes, como era conhecido, foi um figurão dos bastidores do futebol brasileiro. Presidiu a extinta CBD entre 1975 e 1979. E depois que a Fifa ordenou que a entidade se tornasse a atual CBF, ele dirigiu a instituição até as eleições de 1980.

O LANCE!Net teve acesso à carta enviada à CBF na qual a viúva garante que, com a reforma, a placa e o busto em homenagem ao marido foram retirados do CT, e cobra explicações ao que classifica como desrespeito à memória de Nunes.

- Foi ele quem intermediou as negociações com a família Guinle visando à aquisição do terreno pela CBF, inclusive preservando, como constava em cláusulas, a paisagem do local. Foi ele quem esteve à frente da elaboração do projeto arquitetônico que, utilizando engenheiros da SUDERJ, resultou em custo zero para a entidade (CBF) - afirmou Maria Luiza Nunes.

Importante no cenário nacional, o Almirante Nunes foi homenageado pelo Vasco, clube do qual era torcedor confesso e apaixonado. Em 2006, o Gigante da Colina batizou o centro de treinamento de Duque de Caxias com o nome do antigo mandatário. Foi Heleno quem cedeu o espaço na rodovia Washington Luiz ao Cruzmaltino. Hoje, as categorias de base do clube treinam no local.

Leia a carta enviada à CBF