icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
21/06/2014
14:23

Foi baseado nas avaliações físicas realizadas nas primeiras semanas de preparação para a Copa do Mundo que a comissão técnica da Seleção Brasileira decidiu priorizar o descanso e reduzir a carga de treinos na Granja Comary.

O desgaste provocado pela temporada europeia, que foi disputada por 19 dos 23 jogadores da Seleção Brasileira, também foi levado em consideração. Neste sábado, o LANCE!Net mostrou que a Seleção tem treinado menos até do que na Copa das Confederações do ano passado, que tinha sequência de jogos em intervalos mais curtos, a cada três ou quatro dias.

O preparador físico Paulo Paixão foi consultado para atender a imprensa e falar a respeito, mas disse que não queria dar entrevista.

– Deixem eles (jornalistas) com os comentários deles, nós sabemos o que estamos fazendo – disse.

O técnico Luiz Felipe Scolari também é questionado pela falta de treinos táticos. A defesa da CBF é que também há desgaste físico e risco de lesões musculares nesses trabalhos de campo.

Na primeira semana de preparação, o médico José Luiz Runco afirmou que a comissão técnica e o departamento médico e fisiológico iriam acompanhar a evolução no dia a dia e adequar a carga de treinamento de acordo com a resposta física de cada atleta.

– O dia a dia vai nos fazer perceber quem está mais desgastado. Não posso dizer que não estão desgastados porque estão em fim de temporada, com exceção dos que estão atuando no Brasil. O desgaste orgânico a gente consegue compensar porque tiveram alguns dias de férias. Já com relação ao desgaste muscular, quem necessitar de retoque não participará de treinamento do grupo, mas fará trabalho específico – disse Runco.

Na última sexta-feira, o lateral-esquerdo Marcelo se mostrou incomodado ao ser questionado sobre os poucos treinos da Seleção.

- Não sou formado em educação física. Tem de perguntar para o (preparador físico Paulo) Paixão, ele que resolve tudo. Estamos bem, ninguém lesionado, todos com energia e força. O trabalho do Paixão é muito bom para a gente - disse.

Neste sábado, foi a vez de o lateral-direito Daniel Alves defender a comissão técnica.

- Às vezes os resultados confundem, mas nós sabemos que o time evoluiu do primeiro para o segundo jogo. A gente vê nossos jogos 50 vezes. Criam debates em cima do que as pessoas pensam, e não da realidade. Se escutarmos muito, vamos sair do caminho traçado. É muita informação leiga, sem critério. Tem de fechar o olho, tapar o ouvido, as pessoas são muito pessimistas, um negativismo tremendo.