icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira, Eduardo Mendes, Igor Siqueira e Michel Castellar
17/07/2014
12:46

A CBF espera anunciar o sucessor de Luiz Felipe Scolari até a próxima terça-feira e, apesar de não ter adiantado quem será o novo comandante, já descartou a possibilidade de um estrangeiro iniciar a reformulação proposta pela entidade.

O novo coordenador de Seleções, Gilmar Rinaldi, diz que o momento não é de trazer um nome de fora por simplesmente esse profissional não ter ciência acerca da realidade brasileira.

- Buscamos na nossa casa alguém que tenha profundo conhecimento do nosso futebol. Temos que definir isso logo porque não temos tempo - disse.

Mais do que reforçar a preferência por um treinador local, Gilmar defende que esse novo profissional saiba trabalhar com o coletivo. O dirigente citou como o país consegue revelar talentos individuais, mas que precisam ser integrantes dentro de um todo.
semana que vem o nome seja anunciado.



LEIA MAIS:

> EXCLAMAÇÕES DO EDITOR: O Dia em que o Brasil disse "não" a Guardiola

            > CBF escolhe novo coordenador de Seleções
> Confira um perfil do novo coordenador
> Colunistas e jornalistas sugerem mudanças para o futebol

VOTE NA ENQUETE
> Gilmar Rinaldi é um bom nome para coordenar a Seleção? Vote!

- Temos de rever muitas coisas, partindo da Seleção de base do Gallo. Temos de avançar muitas coisas que a comissão antiga não teve tempo. O momento é este. Fazer uma série de coisas que muita gente tentou. A prioridade é da base e do coletivo ao invés do individual. O talento que revelarmos será uma das peças de um conjunto - disse Rinaldi.

Dentro dessa filosofia, o coordenador citou o exemplo da Alemanha, lembrando da estreia da seleção na Copa do Mundo, quando goleou Portugal por 4 a 0.

- A Alemanha tinha um jogador que poderia igualar um recorde. A equipe ganhava por 4 a 0 de Portugal e faltando 30 minutos para acabar o jogo me perguntava porque o técnico não colocava Klose. Ele quis deixar claro que na filosofia deles, o coletivo estava acima do individual. Mostraram isso logo no primeiro jogo. E é isso que temos de ter definido. Temos os craques, que serão nosso individual, mas temos de buscar o coletivo - defendeu.


Gallo (à esquerda) citou revelações da Alemanha na Copa (Foto: Wagner Meier/ LANCE!Press)

Apesar de a integração entre a Seleção principal com a base ter sido muito frisada na coletiva, o coordenador técnico da base, Alexandre Gallo, lembrou que o novo ciclo que se inicia terá revelações, mas elas, ainda, não serão maioria.

- O projeto aqui é abaixar o nível de idade. Precisamos ter atletas novos com lastro em vários jogos de alto rendimento. É isso que o futebol moderno pede. A Alemanha tem 17 jogadores abaixo dos 26 anos prontos para a próxima Copa - ponderou Gallo.