icons.title signature.placeholder Luiz Carlos Ferreira
icons.title signature.placeholder Luiz Carlos Ferreira
10/07/2013
18:12

Durante manifestação organizada pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), pela Federação de Atletismo do Estado do Rio de Janeiro (FARJ) e por funcionários da Superintendência de Esportes do Rio de Janeiro (Suderj) realizada no Maracanã (RJ), nesta quarta-feira, o defensor público federal André Odarcgy anunciou que irá apelar ao Comitê Olímpico Internacional (COI) contra a derrubada do Parque Aquático Júlio de Lamare e do Complexo Esportivo Célio de Barros. O contato será feito na próxima segunda, via CBDA.

- Mandaremos uma representação ao COI para eles se posicionarem. Falaremos na semana que vem, na segunda-feira - disse Odarcgy.

Além do contato com o Comitê, o defensor anunciou também que espera resposta do Ministério do Esporte sobre o pedido de intervenção feito no fim do mês passado até o fim da semana e que o Iphan Nacional, órgão que preserva o patrimônio cultural do país, confirmou na última sexta-feira que não é possível serem construídos prédios nos espaços dos dois equipamentos.

O presidente da CBDA, Coaracy Nunes, afirmou estar otimista com as revelações do defensor.

- Isso é ponto a favor, foi uma surpresa agradável, porque aí mostra que eles não tem a autorização - disse o presidente.

Uma liminar publicada em maio pelo juiz Afonso Henrique Ferreira Barbosa impede a demolição do Júlio de Lamare e do Célio de Barros. O argumento usado foi o de que os equipamentos são tombados, já que fazem parte do Complexo do Maracanã.

Durante manifestação organizada pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), pela Federação de Atletismo do Estado do Rio de Janeiro (FARJ) e por funcionários da Superintendência de Esportes do Rio de Janeiro (Suderj) realizada no Maracanã (RJ), nesta quarta-feira, o defensor público federal André Odarcgy anunciou que irá apelar ao Comitê Olímpico Internacional (COI) contra a derrubada do Parque Aquático Júlio de Lamare e do Complexo Esportivo Célio de Barros. O contato será feito na próxima segunda, via CBDA.

- Mandaremos uma representação ao COI para eles se posicionarem. Falaremos na semana que vem, na segunda-feira - disse Odarcgy.

Além do contato com o Comitê, o defensor anunciou também que espera resposta do Ministério do Esporte sobre o pedido de intervenção feito no fim do mês passado até o fim da semana e que o Iphan Nacional, órgão que preserva o patrimônio cultural do país, confirmou na última sexta-feira que não é possível serem construídos prédios nos espaços dos dois equipamentos.

O presidente da CBDA, Coaracy Nunes, afirmou estar otimista com as revelações do defensor.

- Isso é ponto a favor, foi uma surpresa agradável, porque aí mostra que eles não tem a autorização - disse o presidente.

Uma liminar publicada em maio pelo juiz Afonso Henrique Ferreira Barbosa impede a demolição do Júlio de Lamare e do Célio de Barros. O argumento usado foi o de que os equipamentos são tombados, já que fazem parte do Complexo do Maracanã.