icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes e Igor Siqueira
08/03/2014
08:03

Para justificar e valorizar o investimento de R$ 15 milhões na reforma da Granja Comary e também seguir recomendação da Fifa, a Seleção Brasileira optou por retornar a Teresópolis após as partidas mesmo na segunda fase, caso se classifique para as oitavas de final na Copa do Mundo.

Isso significa não repetir a estratégia utilizada na Copa das Confederações – quando o Brasil não tinha uma sede e se preparou nas cidades de cada compromisso. Decisão que acarreta em um aumento de até 8.186 quilômetros – maior distância percorrida na segunda fase caso o time se classifique em segundo e chegue à final – aos já 7.538 quilômetros que serão rodados nos três primeiros jogos.

A Confederação Brasileira de Futebol prefere não se pronunciar e ainda não confirma o uso da Granja Comary até uma eventual final. A CBF não se importa em voltar para o Rio de Janeiro e tem a intenção de utilizar o local o máximo possível.

Durante a primeira fase, a Fifa determina que os treinamentos entre as partidas sejam feitos nos centros escolhidos por cada Seleção, sendo necessário retornar à cidade de preparação após os jogos.

– Conforme a política de movimentação dos times estabelecida pela FIFA, as seleções devem voltar para os Centros de Treinamento de Seleções (CT's) após os jogos da primeira fase. A partir das oitavas de final, as equipes podem escolher se voltarão para seus CT's ou se viajarão direto para os locais das próximas partidas – informou ao LANCE!Net o departamento de comunicação do COL da Copa do Mundo de 2014.

Logística de 2013 foi estudada

A comissão técnica da Seleção e a CBF estudaram a possibilidade de o Brasil se preparar nas cidades onde for jogar a partir das oitavas de final, caso se classifique para a segunda fase.

Contra essa possibilidade, entretanto, pesou o fato de o Brasil ter mais privacidade em Teresópolis. A logística interna já definida pelos dirigentes e integrantes da comissão prevê o isolamento dos jogadores do público quando for necessário.

No ano passado, durante a Copa das Confederações, ao considerar o período de treinos e jogos, o Brasil passou por sete cidades em um período de quase dois meses.

A preparação teve início no Rio de Janeiro e foi estendida a Goiânia com um amistoso disputado em Porto Alegre.

Posteriormente, a Seleção de Luiz Felipe Scolari disputou jogos em Brasília, Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte e fez a final no Maracanã, no Rio de Janeiro.

Seleções tentam driblar a imposição

A logística determinada para a Fifa durante a primeira fase não foi bem recebida pelas seleções da Itália e do México, que tentam evitar o retorno para os centros de treinamentos nos jogos da primeira fase do Mundial.

Os italianos escolheram Mangaratiba, no litoral sul do Rio de Janeiro. A equipe, porém, disputará jogos nas regiões Norte e Nordeste. A estreia está marcada para Manaus e depois a seleção terá compromissos em Recife e Natal. A comissão técnica considera desgastante as viagens de retorno ao Rio entre os jogos.

A situação do México é semelhante. O time fará a preparação em Santos, mas jogará apenas no Nordeste. Os confrontos estão marcados para Natal, Fortaleza e Recife. A intenção dos dirigentes mexicanos é solicitar à Fifa a permissão para se preparar na cidade dos jogos. O pedido, porém, caso enviado, deverá ser negado.