icons.title signature.placeholder Gabriela Abrunheiro
24/03/2014
16:07

Aproveitando a reunião na Federação Paulista de Futebol, que definiu os horários dos confrontos das quartas de final do Paulistão Chevrolet 2014, o presidente em exercício do Santos, Odílio Rodrigues, falou sobre a possível punição do Mogi Mirim no caso de racismo contra Arouca, em partida realizada no dia 06 de março.

Para o mandatário, o clube não pode ser responsabilizado pela ação do torcedor, caracterizado como 'idiota' e 'marginal', por Odílio. Ainda segundo o presidente, esse é o caminho mais fácil.

- Sou contrário a punição do clube, espero que não seja cumprido. Acho que isso estimula a impunidade. O marginal que fez isso não tem nenhum vínculo com o clube, não tá preocupado com o prejuizo que ele vai causar - disse o cartola santista.

- A punição, num primeiro momento, dá a imagem de que se tomou alguma providência. Mas há uma impunidade de quem fez isso. Eu tenho a mais pura convicção de que os dirigentes do Mogi Mirim, a diretoria e o quadro de sócios não compactuam com o que meia dúzia de imbecis fizeram - continuou ele.

Questionado sobre o que deveria ser feito, Odílio foi enfático ao pedir que  haja punição em casos assim.

- Punir a instituiçao pode ser mais fácil, mas com certeza não é o mais efetivo. Eu acho que todo o sistema tem que ser voltado para a identificação da pessoa que cometeu o ato e, assim, ser punido pela lei - defendeu o presidente.

O julgamento do Mogi Mirim, que estava marcado para o dia 17 de março, foi adiado para a tarde desta segunda-feira também na sede da Federação Paulista de Futebol.