icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/03/2014
11:38

Por meio do presidente Luis Osemale, o Clube Esportivo Bento Gonçalves voltou a lamentar os insultos racistas sofrido pelo ábitro Márcio Chagas em jogo contra o Veranópolis, pelo Campeonato Gaúcho. O mandatário fez questão de tratar o fato como caso isolado e desvincular o clube dos agressores, além de garantir ajuda nas investigações.

No episódio, o árbitro gaúcho não só foi insultado quando estava dentro de campo como, após o jogo, teve o carro amassado e com bananas no capô e no cano de descarga. Este não foi o único caso de racismo da semana, já que, na última quinta-feira, o volante Arouca também sofreu com gritos de ódio vindos das arquibancadas em jogo contra o Mogi Mirim.

E MAIS:

> Clube gaúcho garante vai que investigar caso de racismo contra árbitro
> Após casos de racismo, secretário cobra melhor estrutura de segurança
> Uefa pode punir Atlético de Madrid por racismo contra jovem do City

Leia a carta aberta do presidente do clube:

Este é sem dúvida um capitulo triste na história do nosso Alvi-Azul.

Os fatos de racismo relatados pelo árbitro Márcio Chagas em nosso estádio na última quarta-feira me entristecem não apenas como presidente e torcedor do Clube Esportivo, mas também como empresário, bentogonçalvense, homem e pai de família.

Em momentos como esse devemos ter cautela e não podemos transformar um em todos. A infeliz voz que supostamamente gritou palavras de ofensas ao árbitro não é a voz da nossa torcida, do nosso clube, da nossa comunidade, principalmente quando falamos de uma cidade acostumada a receber tão bem visitantes de todas as partes do Brasil e do mundo.

Desde que comecei a frequentar os corredores desse Clube sonhei vê-lo nas páginas e veículos de mídia do país por suas glórias, e muito me entristece vê-lo nessas tão sonhadas páginas por uma noticia lamentável como essa que sequer tem relação direta com a instituição.

Assim como muito me entristece o que alguns oportunistas estão tentando fazer nesse momento, especulando que o Esportivo estaria questionando a idoneidade do árbitro e apoiando condutas criminosas e racistas. O Clube Esportivo, toda sua direção, comissão técnica, equipe e funcionários repudiam qualquer forma de racismo… Repito, repudiamos qualquer forma de racismo!

Peço desculpas se aos olhos dos grandes não soubemos lidar tão bem com essa situação como deveríamos, mas acreditem, isso para nós foi uma ingrata e inesperada surpresa tanto como para todos vocês.

Não mediremos esforços para esclarecer os fatos e convocamos nossa torcida para nos ajudar e ajudar as autoridades em um momento como esse, trazendo informações que identifiquem os verdadeiros culpados por essas atrocidades. Não é justo que nosso time e sua torcida, que vem lutando bravamente para se manter entre a elite do futebol gaúcho, seja penalizado por alguns poucos que se dizem torcedores.

Assim como o árbitro Márcio Chagas tem seus filhos, eu também gostaria de poder ver os meus brincando livremente, com os filhos dele e de qualquer outra pessoa, não importando sua cor, credo ou classe social, em um mundo mais justo e sem racismo.

Cordialmente,
Luis Delano Lucchese Oselame
Presidente do Clube Esportivo Bento Gonçalves