icons.title signature.placeholder Raphael Martins
12/03/2014
16:09

Felipe Gedoz virou um conhecido do torcedor brasileiro, principalmente dos cruzeirenses, na noite desta terça-feira. O atacante do Defensor marcou os dois gols na vitória sobre a Raposa, por 2 a 0, pela Libertadores da América. Em conversa com o LANCE!Net, o brasileiro falou de sua experiência no futubol uruguaio e revelou o sonho de um dia jogar no Brasil.

Gedoz chegou ao Uruguai em 2010, proveniente do Guarani de Venâncio Aires. Antes, o atacante havia rodada por outros clubes gaúchos. História que começou quando ele tinha apenas 11 anos.

- Saí de casa com 11 anos. Jogar futebol sempre foi um sonho para mim e para meu pai, que foi jogador de futebol. Meu primeiro clube foi o Juventude, onde fiquei até os 14 anos. Morar sozinho foi muito difícil, estar longe da família não é para qualquer um. Porém, amadureci muito - disse o atacante ao LANCE!Net.

O brasilieiro estava disputando a Terceira Divisão do Campeonato Gaúcho, quando recebeu o convite do empresário Eliomar Marcón para tentar a sorte no Uruguai. A ascensão de Feliupe Gedoz no Defensor foi meteórica.

- Em 2010 eu conheci o meu empresário, Eliomar Marcón, e ele me ofereceu a oportunidade de jogar aqui no Defensor. Chegei, fiz o teste, e em uma semana o clube decidiu ficar comigo. Passei pelo sub-20, pelo sub-23, e em cinco meses estava no profissional - relembrou o jogador.

Mesmo com o sucesso repentino, o brasileiro ainda assim sentia saudade de casa. O idioma era uma das barreiras, assim como a ausência da família.

- Não sabia falar o idioma. Até pensei em abandonar o futebol, queria minha família. Mas, felizmente, tive muito apoio dos meus pais. Eles conversaram muito comigo. Hoje a minha mãe mora aqui no Uruguai e está tudo tranquilo - afirmou.

A chance na Libertadores da América poderia ter ocorrido antes. Em 2011, Felipe foi inscrito mas não jogou. Em 2012, chegou a ser relacionado para o jogo contra o Olimpia, mas uma lesão no tornozelo o tirou da competição. Naquele mesmo ano fez sua estreia no time titular do Defensor.

- Foi Gustavo Díaz (treinador do time em 2012) já me conhecia das divisões de base. Ele me deu confiança e a oportunidade. Então só tive de agarrá-la. Sofri um pouco de pressão, é óbvio, mas quando eu piso no gramado ela some. Procuro jogar com alegria - conta o jovem, que está com apenas 20 anos.

Embora esteja obtendo sucesso no Uruguai, Felipe Gedoz sonha em jogar no futebol brasileiro. Os dois gols sobre o Cruzeiro podem, quem sabe, ajudar.

- Fazer dois gols no Cruzeiro não é fácil. Espero continuar fazendo o meu nome. Como cidadão brasileiro, quero jogar no Brasil. Vamos esperar. Graças a Deus estou sendo mais conhecido por esses dois gols. O defensor está subindo, não posso de dizer que chegaremos à final da Libertadores. Vamos pensar em passar de fase primeiro. O nosso grupo é unido e vamos continuar fazendo o nosso trabalho - disse o atacante.

Com a palavra
Gustavo Martín (repórter do El Observador-URU)

Felipe Gedoz é um jogador muito técnico. Se destacou bastante nas categorias de base, porém os treinadores não davam chance para ele no time principal. A oportunidade veio quando um novo treinador, que havia trabalhado com Felipe nas categorias de base assumiu.

É um atacante de grande personalidade, que demonstra muita vontade em campo. Embora não tenha um biotipo muito forte, consegue se impor contra os zagueiros.