icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
08/07/2014
07:30

Se Felipão confirmar a equipe com três volantes nesta terça, Oscar terá menos obrigações defensivas contra a Alemanha. E o meia tem exercido um trabalho tático na equipe de Luiz Felipe Scolari que muitas vezes rende críticas aos torcedores que esperam, claro, belas jogadas e dribles dos meias. Nas formações testadas ontem, o camisa 11 jogou centralizado, algo que não tem sido uma constante na Copa do Mundo.

Com Neymar, Oscar ficava muito mais no lado do campo, sobretudo na direita, como aconteceu na última partida. Ajudar na marcação é exigência que faz o atleta abusar até dos carrinhos. Após a partida em Fortaleza, ele saiu com dores no corpo.

– Estou com carne viva dos lados. Parece que só consigo roubar bola com carrinho, acho que é uma característica minha (risos). Que continue assim então – disse Oscar.

O meia tem 19 bolas recuperadas e 11 desarmes na Copa do Mundo. Na soma dos quesitos (30), é o líder no torneio – o segundo é o defensor iraniano Pooladi, com 19 ao todo.

– Isso está dando resultado. No último jogo ficamos muito mais com a bola no primeiro tempo, comigo no meio, ajudando os dois (Hulk e Neymar), ficamos muito com a bola. Eu roubo bola, tem de fazer isso – afirmou o camisa 11 da Seleção.

Oscar jogou todas as cinco partidas do Brasil na Copa do Mundo: ficou em campo 460 minutos. Ele cometeu sete faltas. Com um gol marcado na abertura contra a Croácia, ele provavelmente terá mais liberdade para bater a gol nesta terça à tarde.

De acordo com as partidas, Felipão sempre promove uma “rotação” entre Oscar, Neymar e Hulk, que jogavam atrás de Fred. Na Copa das Confederações do ano passado, o camisa 11 jogou menos dos lados e mais no meio. A situação mudou quando Neymar passou a começar a maioria dos jogos centralizado. Oscar não reclama. Entra em campo para obedecer ao treinador.

Nesta terça, às 17h, os olhos estarão nele.