icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
12/11/2014
15:52

A política do Botafogo segue a tônica de todos contra Mauricio Assumpção. Depois uma série de problemas, como salários atrasados e demissões de jogadores, até mesmo quem o apoiou durante a maior parte dos seis anos em que o mandatário comandou o Glorioso. Um deles é o ex-presidente Carlos Augusto Montenegro, membro influente da política alvinegra.

Ele falou que o próximo presidente, que assumirá no dia 26 de novembro, terá que começar do zero. E também garantiu que não vai se mexer para angariar os recursos a fim de pagar uma dívida de aproximadamente R$ 800 mil, relativa ao negócio de Elkeson com o Guangzhou Evergrande (CHN) - que pode fazer com que o time perca seis pontos no Brasileiro. De acordo com Montenegro, ele se sente "um pouco palhaço".

- Não tem jeito, vamos ter que começar do zero. Essa paixão pelo Botafogo faz com que a gente não consiga virar as costas. Sei que tem gente se virando para levantar dinheiro, mas não vou me mexer dessa vez, porque me sinto um pouco palhaço. É uma coisa que dá nojo. Nós chegamos ao fundo do poço - afirmou o ex-presidente à Rádio Brasil.

O dia 25 de novembro será o último de Mauricio Assumpção como presidente do Botafogo. Ele comandou o clube por seis anos e quatro candidatos buscam sucedê-lo: Carlos Eduardo Pereira, Carlos Thiago Cesário Alvim, Marcelo Guimarães e Vinicius Presidente.