icons.title signature.placeholder Guilherme Borini
02/04/2014
08:00

O lateral-esquerdo Thiago Carleto justificou sua decisão de romper o contrato de empréstimo e deixar a Ponte Preta. Segundo o jogador, a opção de sair do clube campineiro já estava tomada há cerca de duas semanas, por falta de oportunidades e não por dificuldade de adaptação à cidade de Campinas. Anunciado pela Macaca há apenas dois meses, atuou em quatro jogos - dois como titular - e marcou um gol.

- Eu vim para jogar, não estava jogando e vim para recuperar o tempo perdido que fiquei parado por lesão. Não estava contente por não estar jogando e decidimos, junto com meu empresário, informar que gostaria de sair. Foi um acordo junto à diretoria. Queria deixar claro que não é por disciplina, foi um acordo entre as duas partes - declarou o jogador, ao LANCE!Net.

Do lado da Ponte, a gota d'água foi sua atitude na Vila Belmiro, na quartas de final diante do Santos - a Macaca foi goleada por 4 a 0. O jogador estava no banco de reservas, não entrou na partida e foi para o vestiário irritado antes de acabar o jogo. O atleta, emprestado pelo São Paulo, tinha metade dos salários pagos pela Macaca, valor considerado alto para o clube, que passa por dificuldades financeiras após o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro no ano passado.

- Fui muito bem recebido na Ponte, sempre foram muito corretos comigo, mas meu projeto é diferente do que está pensando o clube. Foi uma conversa bem franca da minha parte e tomamos a decisão. Tem também o custo beneficio da Ponte, que passa por um momento difícil. Para eles, também seria bom - analisou o jogador.

Carleto era a principal contratação do clube para a temporada, mas não conseguiu desbancar o atual titular Magal e não teve sequência de jogos.

- Houve um ato de indisciplina na Vila, mas foi tudo conversado entre ele e Departamento de Futebol - disse o presidente da Ponte, Márcio Della Volpe.

O Gerente de Futebol Marcus Vinícius reforçou a versão de Carleto.

- Não teve motivo A, B ou C. Foi uma decisão conjunta entre diretoria, comissão técnica e jogador - limitou-se a dizer.

- Somente jogando me sentiria bem. Eles podem não ter gostado do meu ato (na Vila), mas ninguém falou nada se gostou ou não. Eu conversei com a minha família, minha esposa e achamos melhor procurar outros caminhos. Creio que tenho mercado na Série A. Minha esposa está gravida, meu filho pequeno não se adaptou à escola também. Algumas coisas juntaram e pedi para o meu empresário conversar. Ele não conseguiu conversar antes, mas eu já tinha tomado a decisão há umas duas semanas. Estávamos em uma fase final e, com o que aconteceu, veio à tona algumas "inverdades" - disse Carleto.

Apesar da saída conturbada, Thiago Carleto deixa amigos na Ponte Preta e agradece ao clube que o deu oportunidade de voltar a jogar após uma delicada cirurgia nos ligamentos do joelho e oito meses sem atuar:

- Criamos uma amizade legal com os jogadores. Alguns até me ligaram chateados. Agradeço de coração à Ponte por ter dado a chance de voltar a jogar.

Agora, Carleto fica à espera de uma definição entre o São Paulo, clube com o qual tem contrato até 2015, e seu empresário Eduardo Uram para saber seu futuro no restante da temporada.

- Quem não quer jogar no São Paulo? Minha maior felicidade foi saber que estou totalmente recuperado. Para onde eu for, eu preciso jogar para recuperar o tempo perdido. Se for no São Paulo, melhor ainda, porque é o clube que sempre abriu as portas para mim. Tenho algumas outras conversas também e espero definir até semana que vem - concluiu.