icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
25/11/2014
14:50

No dia 20 de dezembro, Antônio Cara de Sapato faz sua primeira luta como atleta contratado do UFC. Depois de conquistar o título da terceira edição do The Ultimate Fighter Brasil na categoria dos pesados ao superar Vitor Miranda, na decisão, o lutador encara Patrick Cummins pela categoria dos meio-pesados no evento que acontece em Barueri. O membro da Nova União falou com a imprensa sobre o desafio e projetou seu compromisso.

Ao ser perguntado sobre seu adversário, que vem de duas vitórias consecutivas, o brasileiro avaliou o estilo de luta de Cummins e brincou com seu apelido ao projetar o que pode acontecer na luta.

- O Cummins é wreslter e muito bom, sua única derrota foi para o Cormier, que não é nenhum demérito. Ele é um cara duro e isso é bom para mim, porque queria um adversário desse tipo para chegar mais rápido lá em cima. Vai ser uma grande luta e acredito que ele busque a queda para trabalhar no ground and pound. Mas ele tem que ficar atento, sou campeão mundial de jiu-jitsu e posso finalizar a qualquer momento. Minha trocação também está evoluindo muito e vou dar uma sapatada nele (risos) - declarou o lutador, que soma quatro vitórias e nenhuma derrota na carreira.

Especialista em jiu-jitsu, modalidade onde já foi campeão mundial, Cara de Sapato se disse com saudades de finalizar adversários, já que durante sua participação no TUF Brasil e contra Vitor Miranda venceu a maioria na decisão ou por nocaute.

Lutador fará primeira luta no UFC pelso meio-pesados (FOTO: Divulgação/Inovafoto)

- Tenho saudade de finalizar, já que na casa do TUF foram dois nocautes, finalizei o Pezão e na final venci por pontos. Mas isso tudo contribuiu para minha evolução, porque queria me testar por três rounds e isso foi importante. Meu jogo sempre foi de guarda, me sinto confortável ali e nos treinos também. Na luta com o Vitor, uma hora eu fiquei por baixo e não subi porque me sinto bem. Caso aconteça isso de novo, vou estar preparado e buscarei a finalização - explicou.

Antônio Carlos Jr. ainda avaliou o estilo de Cummins, um wrestler nato. Segundo ele, o estilo de derrubadas pode impressionar os juízes, mas nada que ele não esteja disposto a fazer.

- Sei que quedas dão pontos e também quero derrubar. Hoje em dia me sinto confortável na trocação, treino com strikers, como Cigano e ninguém vai bater mais forte que ele (risos). Evoluí bastante nessa área, fiz jiu-jitsu a vida toda, então me sinto bem na luta agarrada, me sinto em casa. A experiência no jiu-jitsu e agora no boxe me deixa confiante a vontade independente de onde eu esteja - concluiu.