icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/11/2014
18:14

No futebol, "cavalo" é um termo ruim, comumente utilizado para adjetivar jogadores agressivos, violentos. No caso de Edson, a palavra tem uma outra conotação - muito melhor: refere-se à capacidade física privilegiada e ao espírito de luta. Embora não seja chamado assim pela torcida do Fluminense, ganhou esse apelido nos tempos de ABC.

- Lá no ABC diziam que eu tinha muita força, tanto para atacar quanto para defender. Por isso a torcida colocou o apelido de Cavalo. Se o torcedor (tricolor) achar por bem me chamar assim, não haverá problema algum, desde que seja algo natural. Para colocar um apelido num jogador, ele tem que fazer por merecer em campo. Fico bem tranquilo em relação a isso - disse o camisa 19 ao site oficial do Flu.

Edson aos poucos vai ganhando o carinho do torcedor com gols decisivos, como no último Clássico Vovô. E os números também estão a favor. Com ele em campo, foram sete vitórias (cinco pelo Brasileirão, uma pela Copa do Brasil e outra pela Copa Sul-Americana) e um empate. Sempre humilde, o jogador comemorou o ótimo desempenho, mas fez questão de ressaltar que o mérito é coletivo.

- É um aproveitamento muito bom, quase 100%. Em momento algum quero dizer que isso é mérito meu. É de todo o time. Só por chegar a um clube como o Fluminense, o profissional já é valorizado por ter esta passagem no currículo. Quando começa a jogar e a ir bem, ajudando a equipe, como tem acontecido comigo, melhora ainda mais – afirmou.

Edson, nesta quinta-feira, estará em campo para defender o Flu, no Maracanã, contra a Chapecoense. Perto do fim do Brasileirão e ainda brigando por uma vaga na Libertadores do ano que vem, a torcida espera que o "Cavalo" dê o "sprint" final para a arrancada e classificação tricolor.