icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes
09/11/2014
11:04

Nem mesmo a peculiaridade de estar cravada nos continentes europeu e asiático - fato único no mundo -, facilitando os acessos, evitou a derrota de Istambul para Tóquio (JAP), no ano passado, na eleição que definiu a sede das Olimpíadas de 2020. A cidade que receberá a Seleção Brasileira para o amistoso contra a Turquia, na quarta-feira, preserva a história que remonta aos impérios bizantino e romano, mas mostra traços influentes da cultura ocidental.

Com orçamento previsto de US$ 22,9 milhões (R$ 58,7 milhões), a maior cidade turca e europeia, com população superior a 13 milhões de habitantes, exibiu o maior gasto para melhorar a infraestrutura entre as três finalistas do processo. A despeito da necessidade de construir 20 instalações até o início das Olimpíadas, Istambul ainda conseguiu derrubar Madrid (ESP) e disputar a final com Tóquio.

(Tráfego intenso no início da noite de sábado na parte europeia de Istambul/ Foto: Eduardo Mendes)

Entre as principais críticas, o transporte. Cortada pelo Bósforo - estreito que marca o limite dos continentes asiático e europeu na Turquia - Istambul sofre com o tráfico em todos os momentos do dia. Existe metrô, mas a linha construída recentemente está longe de atingir toda a cidade e atender a alta demanda. A maioria da população mora do lado asiático, mas trabalha no continente europeu, onde se encontram os principais pontos turísticos.

(Ponte que liga ocidente e oriente em Istambul/ Foto: Eduardo Mendes)

A travessia dos lados é feita por duas pontes. A Seleção Brasileira optou por se hospedar em um hotel localizado na parte que fica na Ásia, onde também está o estádio do Fenerbahçe, local da partida de quarta-feira. O deslocamento do aeroporto - postado na parte europeia - até a concentração brasileira pode demorar até duas horas. Este foi o tempo aproximado gasto pela reportagem do L!Net para percorrer o percurso no fim de sábado.

Composta por uma população miscigenada, Istambul apresenta grande diversidade de povos, apesar de ser muito comum a presença muçulmanos. As mesquitas espalhadas pela cidade também chamam a atenção, especialmente por causa da estrutura das edificações.

(Mesquita no bairro de Salacak, na parte asiática de Istambul/ Foto: Eduardo Mendes)