icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
12/12/2013
08:00

O ano como um todo não foi bom para Barcos e Kleber. Dois dos nomes mais badalados do elenco do Grêmio, se envolveram em longos jejuns e foram premiados com a desconfiança da torcida, principalmente o Pirata. Mas a dupla conta com um apoio de peso para virar o jogo e brilhar na Libertadores do próximo ano: Jardel, Paulo Nunes e Tarciso, todos ídolos do clube gaúcho, todos campeões da Libertadores, principal objetivo da próxima temporada.

Atualmente, os jogadores estão em férias. Mas dentro de relativamente pouco tempo estarão envolvidos na disputa da competição continental. Kleber passou todo o segundo turno do Brasileirão sem balançar as redes. Barcos, capitão de Renato, amargou duas sequências de nove jogos de jejum no ano. O trio, composto por dois campeões da América em 95 e um companheiro de Renato em 83 aprovam a dupla.

- Dá para apostar sim. Eu acredito muito nos dois. As fases acontecem. Passam muito rápido e volta a fase boa. podem sentir no começo, mas não deixam se abater. São experientes. Gosto muito do Kleber, estão criticando ele, mas já mostrou suas qualidades. É de muita força, e na Libertadores precisa disso, É dar confiança aos dois. Só jogando que se pode reverter - comentou o atacante Paulo Nunes.

O Gladiador e o Pirata não tem continuidade 100% garantida na próxima temporada. O Grêmio negociaria ambos se aparecessem interessados. No entanto, a tendência é que a dupla permaneça. O Tricolor não pretendem fazer grande investimento, já que tem uma base montada desta temporada.

- O Barcos é um bom atacante, e o Kleber um baita jogador também, vimos no Palmeiras, no Cruzeiro. Ninguém desaprende a andar de bicileta. Pode tomar um tombo ali ou aqui, mas sabe andar - completou Tarciso.

O consenso de aprovação entre os três ídolos também passa por outra situação: o treinador. O Grêmio negocia com Renato Gaúcho, mas ainda não tem definido quem será o comandante de 2014. Mais que isso, importante será o esquema e a estratégia adotada para a temporada. O time de Renato priorizou a marcação e a intensidade de jogo no meio-campo no Brasileirão. Os jogadores de ataque acabaram sacrificados. O artilheiro da Libertadores de 1995 resume o sentimento.

- Avaliação está invisível. Ajudaram o Grêmio, mas não foram ajudados porque o esquema não ajudava. São bons jogadores. Se mudasse o esquema, eu apostaria neles - sentenciou o centroavante, ídolo dos torcedores tricolores.

O clube gaúcho está no Paraguai para o sorteio dos grupos da Libertadores, que acontece nesta quinta-feira, em Luque. O presidente Fábio Koff irá acompanhar de perto a formação dos grupos da competição continental. Com a derrota da Ponte Preta na Copa Sul-Americana, o Botafogo será o sexto brasileiro no certame - Cruzeiro, Flamengo, Goiás e Atlético-MG completam a lista.