icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
23/11/2014
08:12

Só dois anos se passaram desde que o Palmeiras sagrou-se campeão da Copa do Brasil ao empatar por 1 a 1 com o Coritiba no Couto Pereira, mas os times voltarão neste domingo àquele palco para uma "final" menos festiva, às 19h30. Agora o duelo é pela 36ª rodada do Brasileirão e não vale título, mas a sobrevivência na Série A. O Coritiba é o primeiro da zona da degola, com 38 pontos, só um a menos que o Palmeiras, que está três posições acima.

Talvez a maior semelhança entre os confrontos esteja nas arquibancadas: há uma promoção que permite aos sócios do Coxa levarem quantos amigos quiserem ao estádio pagando apenas R$ 30.

- A torcida faz muito barulho quando o Couto Pereira está lotado. Você tenta se comunicar, mas não escuta o treinador, não escuta o parceiro que está ao lado. Tem que ter muita concentração - lembra o zagueiro Mauricio Ramos, titular do Palmeiras naquela decisão e hoje no Sharjah FC, dos Emirados Árabes.

Naquele dia 11 de julho, o Coritiba abriu o placar com um gol de falta do lateral-direito Ayrton, ampliando a pressão sobre o Palmeiras, que vencera a partida de ida por 2 a 0.

- Foi um jogo muito pegado do começo ao fim, com campo pesado, até pela chuva que castigou Curitiba naquele dia. Entrei e fiz um gol importante, mas logo depois o Betinho empatou - lembrou Ayrton, que hoje pertence ao Palmeiras e está emprestado ao Vitória, outro que briga contra o rebaixamento à Série B.

De acordo com Mauricio Ramos, a reação foi rápida devido a um fator que aquele Verdão, que meses depois cairia para a Segundona, foi perdendo aos poucos: a autoconfiança.

- Mesmo na hora em que a gente tomou o gol, olhamos um para o outro e dissemos: "Hoje a gente não perde". Estava todo mundo focado, preparado para a final. Não só no futebol, mas em tudo na vida, você tem que ter confiança no que vai fazer.

Desde aquela data, as equipes se enfrentaram no Couto Pereira apenas uma vez. Foi na semana seguinte, em um jogo cheio de reservas pelo Brasileiro, que terminou 1 a 1. Os paulistas não levam a melhor no local desde 89. De lá para cá, são cinco derrotas e quatro empates.

JÁ VIROU RIVAL?

Massacre no Couto
Um ano antes de ser campeão no Couto Pereira, o Palmeiras foi atropelado pelo Coxa no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil: 6 a 0. Foi a 24 vitória consecutiva dos paranaenses, que viviam fase iluminada. A série foi derrubada pelo próprio Verdão, com os 2 a 0 na volta.

Pá de cal
Em 2012, as equipes também fizeram duelo crucial no Brasileiro. Foi na 29 rodada, e o Coritiba contou com falha de Correa e gol de pênalti de Deivid para fazer 1 a 0 em Araraquara, já que o Palmeiras havia perdido mandos. Primeiro fora da zona, o Coxa abriu nove pontos do Verdão.

Respiro de Gareca
A única vitória de Gareca no Brasileirão foi contra o Coritiba, no primeiro turno. Juninho, que voltava ao time após quase sair e ficar um largo período encostado, marcou o gol da vitória por 1 a 0 no Pacaembu. O time quebrou um jejum de dez jogos, saiu da zona e deixou o Coxa para trás.