icons.title signature.placeholder Raphael Martins
27/03/2014
11:34

A vitória sobre a Fiorentina por 2 a 0 aliviou, ao menos por enquanto, a situação do técnico Seedorf à frente do Milan. No entanto, o holandês atravessa a mesma turbulência pela qual os últimos quatro técnicos não-italianos que estiveram no comando do Rossonero tiveram.

Seedorf é o quarto técnico estrangeiro que o Milan tem nos últimos 18 anos. Além dele, passaram pelo banco milanista o uruguaio Óscar Tabárez, o turco Fatih Terim e o brasileiro Leonardo. O único que completou uma temporada inteira foi justamente o brasileiro. Os outros dois não chegaram a completar quatro meses no emprego.

Até o momento, a campanha de Seedorf como técnico do Milan é de 11 jogos pelo Campeonato Italiano. Foram cinco vitórias, dois empates e quatro derrotas. Além disso, acabou eliminado pela Udinese nas quartas de final da Copa Itália e, na Liga dos Campeões, caiu nas oitavas de final com um 5 a 1 no placar global contra o Atlético de Madrid (1 a 0 e 4 a 1). Campanha parecida com aquelas de Tabárez e Terim.

O atual treinador da seleção do Uruguai assumiu o Milan em agosto de 1996. Ficou no clube até 1º de dezembro. Neste período, disputou 11 jogos pela Série A. Venceu quatro, empatou três e perdeu quatro. Na Liga dos Campeões dirigiu o Milan em cinco jogos. Venceu dois, empatou um e perdeu outros dois. Placares que resultaram em uma eliminação ainda na fase de grupos. Tabárez não resistiu e foi substituído pelo italiano Arrigo Sacchi.

Cinco anos depois, o Milan voltaria a apostar em um treinador estrangeiro. O turco Fatih Terim assumiu em agosto de 2001. Sua passagem seria um pouco mais curta que a de Tabárez, pois cairia em novembro.

Apesar de ter vencido um clássico contra a Internazionale por 4 a 2, o Milan de Terim obteve campanha de quatro vitórias, três empates e duas derrotas. Estas duas derrotas, para Perugia (3 a 1) e Torino (1 a 0), custaram o emprego do turco. Na Copa da Uefa deixou o clube com quatro vitórias, em quatro jogos.

No entanto, a personalidade de Terim era o seu principal defeito. O relacionamento com os jogadores não era bom, isso sem falar no estilo despojado em uma cidade onde o formalismo se faz presente. Era comum ver o turco se apresentando em coletivas de bermuda e camisa, em um ambiente onde os dirigentes sempre estavam de terno e gravata. Isso sem falar no vício pelo fumo, várias vezes flagrado pelos fotógrafos, e no fato de não falar italiano. Terim foi substituído por Carlo Ancelotti, que ficaria à frente do Milan por oito anos.

Seedorf pode repetir Leonardo

No entanto, a experiência de Seedorf pelo comando Milan pode estar mais próxima de repetir a de seu ex-companheiro de equipe Leonardo. O brasileiro chegou a completar toda a temporada 2009/10 e foi substituído por Massimo Allegri, antecessor do holandês.

Leonardo também começou com maus resultados, em seus sete primeiros jogos havia vencido apenas dois. Inclusive sendo goleado pela Inter por 4 a 0. Depois, no entanto, ficou 10 jogos sem perder, entre as rodadas 6 a 15, e nove jogos invicto, entre as rodadas 22 e 29. Obteve ainda duas vitórias por 3 a 0 sobre a Juventus.

Assim como aconteceu com Seedorf, o Milan de Leonardo caiu nas oitavas de final da Liga dos Campeões. O adversário era o Manchester United, que venceu por 3 a 2 em Milão, e goleou por 4 a 0 na Inglaterra. Na Copa Itália outra coincidência: O Milan de Leonardo caiu nas quartas de final para a Udinese. Ao término da Série A o Rossonero chegou em terceiro, com campanha de 20 vitórias, 10 empates e oito derrotas.