icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
12/03/2014
12:07

Humildade. Essa é a palavra de ordem do Vilhena para a partida desta quarta-feira, contra o Palmeiras, às 19h30 (de Brasília). Quem avisa é o meia Edilsinho, camisa 10 e maior artilheiro da história do clube rondoniense.

- A ideia é fazer o primeiro jogo com bastante humildade. Posicionar bem, jogar como time pequeno mesmo, respeitando o Palmeiras. Depois que o juiz apitar, a gente pensa no segundo jogo - disse o armador-goleador, ao LANCE!Net.

Edilsinho coleciona 32 gols em quase seis anos defendendo o Vilhena (2005, 2006, 2009, 2010, o segundo semestre de 2012, 2013 e o início deste ano). No último domingo, a equipe comandada por Marcos Birigui perdeu por 4 a 3 para o Brasiliense e deu adeus à Copa Verde, mas o artilheiro deixou sua marca duas vezes. Baixinho, ele fez gol até de cabeça.

- A gente até brinca com o professor Birigui que todo ano eu faço um ou dois gols de cabeça. O posicionamento na área é orientação dele, ele
sempre diz que se sobrar é para aproveitar. Costuma dar certo - explica.

É por essas e outras que o técnico Gilson Kleina apontou o meia como jogador mais perigoso do adversário desta quarta-feira. Para ele, o elogio serve apenas como incentivo, e quem tem de ser vigiado mesmo é Valdivia, o 10 do adversário:

- O elogio do Kleina é um incentivo para trabalhar mais, sempre com humildade, respeitando os meninos. Quem está no Palmeiras fez por merecer. O Valdivia é diferenciado, tem que cuidar na marcação. O Alan Kardec também, um dos melhores atacantes que tem no Brasil hoje.

Para ter a chance de jogar no Pacaembu, o Vilhena não pode perder por dois ou mais gols de diferença no Portal da Amazônia.