icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
02/12/2013
08:00

O banco de reservas tem sido uma arquibancada de luxo para Diego Forlán nas últimas quinze partidas. Acostumado a atuar por onde tenha passado, talvez com excessão da Inter de Milão, o uruguaio amarga um momento ruim no Internacional. Apesar de pedido pela torcida, pouco joga com Clemer e não vem tendo rendimento bom nas vezes que chamado. O LANCE!Net explica a razão do atacante visto no Campeonato Gaúcho não ser o mesmo dos últimos meses.

Tudo passa pela questão física. Aos 34 anos, o atacante recebia atenção especial do Internacional até setembro. Foi quando não pode mais, por conta dos compromissos com o Uruguai ou viagens com o clube, realizar os trabalhos de reforço que evitaram as dores nos tornozelos no início deste ano. Outro ponto, por exemplo: o gringo fazia aulas de pilates semanais. Algo que cessou após seu casamento, em julho, logo após a Copa das Confederações. Os exercícios também ajudavam para que o atacante estivesse na ponta dos cascos nos meses anteriores - na pré-temporada, iniciou como um dos piores rendimentos físicos e chegou ao topo em três semanas.

Não que Forlán esteja mal fisicamente agora. Mas o jogador tem uma idade avançada. O ritmo de jogos e a rotina de viagens que o levaram até o Japão e à Jordânia. E a blindagem construída se desfez. O próprio Clemer já deixou claro mais de uma vez que vê qualidade em Forlán, mas que o uruguaio não tem lugar pela falta de intensidade em campo. Não recompõe e não marca como seus concorrentes de vaga.

- O Forlán teve pouco tempo com a gente, é difícil. Sabemos a qualidade, o grande jogador que é. Foram muitas convocações. Tenho como titular o Otávio e o D'Alessandro na posição dele. Esses dois jogadores são destaques do time. Vêm fazendo a diferença. Para ele jogar, teria que sair algum dos dois. Não que não tenha condição, é um baita jogador - destacou o treinador colorado.

Após um primeiro semestre como goleador do único título do Colorado na temporada, Forlán passou a ser reserva - mesmo status da seleção. Os gols passaram a rarear. Muito embora seja o vice-artilheiro do time no ano, com 17 gols, não marca desde o dia 22 de agosto, na vitória sobre o Salgueiro, pela Copa do Brasil - pouco entrou em campo desde esta data. O craque da última Copa do Mundo contesta e afirma que sua média considerando os minutos jogados é alta e está no nível dos outros clubes em que esteve.

O camisa 7, que não tem jogado com Clemer, revelou que tem jogados no ano 2.561 minutos em 2013. Com 17 gols marcados - é o vice-artilheiro colorado no ano. A média de gols é de 0,48 gols por jogo, ou um gol a cada 155 minutos em campo. No Atlético de Madrid, teve média de um gol a cada 158 minutos. Se contados apenas os minutos, Forlán atuou pouco mais de 28 jogos pelo Inter - ele esteve em campo em 35 partidas no ano.

Calendário apertado muda rotina e atrapalha

Praticamente toda a segunda-feira, Forlán se dirigia para uma clínica na zona leste de Porto Alegre. Próximo das 8h, se esticava e alongava em uma aula de pilates. No vestiário do Parque Gigante, antes e depois de treinamentos, fazia ultrassom, recebia tratamento contra as dores e suava nos aparelhos de musculação. Tudo para evitar as dores no tornozelo e estar "voando" fisicamente. O grande vilão da mudança de rotina foi o calendário. Os jogos quarta e domingo e as viagens com a seleção impediram que isso pudesse continuar, segundo apurou o LANCE!Net.

Pablo Forlán, pai do atacante, afirma que ele está feliz no Inter e sentiu a rotina estafante do semestre.

- Sentiu, também porque tinha que vir para lá e para cá, ir com a Seleeção. Teve que ir jogar no Japão, 38 horas de viagem, depois voltar, chegar na quinta e jogar no domingo. Sem dúvida prejudica para o atleta. Digo que ele está contente,estão tratando ele muito bem, torcida e dirigentes. Lógico, últmamente não vem jogando, e ninguém gosta de não jogar, mas isso é normal - disse ao L!Net.