icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci, Gabriel Carneiro e Russel Dias
09/11/2014
08:03

No dia 29 de janeiro deste ano, Gabriel fazia seu primeiro clássico como titular e profissional. Com um placar de 5 a 1 em favor do Santos e um gol anotado, sua semana foi só de alegrias. Diversas entrevistas, fotos e dancinhas...

De lá até aqui, muita coisa mudou. O garoto que ali tinha 17 anos, fez aniversário, virou maior de idade, ganhou a camisa 10 definitivamente e muita responsabilidade na equipe.

Para enfrentar novamente o Corinthians, hoje, às 19h30, na capital paulista (com transmissão em tempo real no LANCE!Net), Gabigol promete ser pouco diferente daquele do início do ano, mais “calejado”.

– A cada ano aprendemos coisas novas. Estreei pelo profissional com 16 anos e hoje já estou mais maduro, consciente do que tenho que fazer – contou o garoto ao L!Net, após passar pela perda do Campeonato Paulista para o Ituano e pela queda na semifinal da Copa do Brasil para o Cruzeiro.

Ao desbancar Leandro Damião, contratação mais cara da história do Peixe, custando R$ 42 milhões, passou a ser mais cobrado e correspondeu. Em 51 jogos no ano, fez 21 gols, deu dez assistências e é o artilheiro do time na temporada.

– Sei do meu papel dentro do time. Mas cada um tem sua responsabilidade aqui dentro. Somos uma equipe, todos lutando pela mesma coisa. Claro que, até pelos gols que fiz, a responsabilidade aumenta. Mas isso é uma coisa que consigo absorver bem – disse Gabigol.

Com esse peso e mesmo vindo da eliminação da Copa do Brasil, Gabriel promete manter o estilo.

– Vencer o Corinthians na casa deles teria um gostinho especial!

Confira o bate-bola com Gabigol.

O que você traz de experiência das derrotas deste ano?

Não é só na vitória que podemos aprender algo. As derrotas também nos ensinam muitas coisas. São lições que certamente levarei. Ainda sou jovem e procuro aprender a cada dia aqui no Santos.

Como foi a noite após o jogo contra o Cruzeiro?

Difícil dormir após um jogo como aquele. Adrenalina fica a mil. Era o nosso objetivo chegar à final da Copa do Brasil e conquistar esse título. Infelizmente, não conseguimos, mas não podemos ficar lamentando e baixar a cabeça. Temos um clássico pela frente e vamos com tudo.

Tem mais motivação para enfrentar o Corinthians por já ter marcado contra eles?

Clássico sempre é diferente. Dá um moral a mais para o vencedor. Graças a Deus fui bem em outras oportunidades e consegui marcar meu gol. Podemos jogar de igual para igual.

Que lições leva para o futuro?

Mostramos que temos uma equipe competitiva, que pode dar alegrias.