icons.title signature.placeholder Aurino Leite e Felippe Rocha
06/12/2013
08:03

O Vasco está a um passo do abismo e para escapar não depende apenas das suas forças. Além de ganhar do Atlético-PR, domingo, tem de torcer por uma combinação de resultados para se manter na elite do Brasileiro. Por conta do péssimo momento em que vive o Cruz-Maltino dentro de campo e dos problemas internos, a reportagem do LANCE!Net foi atrás do presidente Roberto Dinamite para dar uma satisfação ao torcedor e sócio vascaíno.

No primeiro contato, dia 26 de outubro, o mandatário em comum acordo com o seu assessor de imprensa, aceitou conceder a entrevista. Depois disso, tanto o presidente quanto o assessor não atenderam mais as ligações. No dia 20 de novembro, foi mandado o e-mail com as perguntas e ambos acusaram o recebimento.

Na última terça-feira, a reportagem conseguiu contato com Roberto Dinamite, que disse: “Eu tenho um assessor de imprensa para isso”. Mas o profissional não atendeu mais as ligações. Desta forma, o L!Net mostra para o torcedor vascaíno as perguntadas formuladas:

- O senhor será candidato nas próximas eleições do Vasco?

- Caso não seja, o grupo do senhor já tem um nome para as próximas eleições?

- O clube está apto a renovar as CND's daqui a seis meses?

Nota da redação: As Certidões são renovadas automaticamente, porque o valor acordado nem chega às mãos do clube. O risco que o clube corre é de ter o acordo rompido caso não cumpra o pagamento dos impostos correntes.

- Com patrocínio da Caixa, finanças do clube serão colocadas em dia?

NR: Atraso de salário foi motivo para o técnico Autuori pedir demissão e recusa dos jogadores em treinar no dia 29 de junho.

- O senhor não teme ficar com a imagem arranhada com novo rebaixamento, haja vista que na queda de 2008 já era o presidente do clube?

- Por que o senhor ainda não deu uma satisfação a torcida vascaína, uma das maiores do Brasil?

- Ainda se considera o maior ídolo do Vasco?

- Acha que o time do Vasco é bom?

- Por que não fez contratações para que a equipe tivesse condições de brigar pelo título ou pelo menos disputar uma vaga na Libertadores?

- Qual é o seu grau de influência na contratação de jogadores? É apenas comunicado para dar aval?

- O que podemos esperar de reformas na estrutura do clube, que está comprometida no Parque Aquático, no Calabouço e em outros locais de São Januário?

NR: Conforme o L!Net denunciou, a estrutura da marquise de São Januário estava comprometida, tanto que um pedaço caiu durante a partida contra o Vitória, em 19 de setembro, levando à interdição do local (reforma em fase final, até para receber seleções durante a Copa do Mundo). No dia 30 de março, ratos foram vistos no local também. O L!Net, em reportagem do dia 21 de setembro, denunciou ainda o péssimo estado de conservação do Parque Aquático.

- Com todos esses problemas de infraestrutura em todas as sedes, vale a pena ser sócio do Vasco?

- Há pouco tempo o ex-presidente Eurico Miranda ofereceu ajuda ao clube. Diante desta situação, não seria momento de unir forças com todas frentes políticas do clube?

- O senhor acha que foi traído pelos ex-vices-presidentes que renunciaram aos cargos no início do ano?

NR: Nelson Rocha (vice-presidente de Finanças), José Hamilton Mandarino (vice-presidente de Futebol), Frederico Lopes (vice-presidente de Patrimônio) e José Pinto Monteiro (vice-presidente de Esportes Olímpicos e Responsabilidade Social).

- Quando o senhor assumiu a presidência do Vasco, o time foi rebaixado para a Série B no mesmo ano, e prometeu uma mudança geral no clube. Essa mudança aconteceu? Se aconteceu, por quê o clube (e outras sedes) está com problemas de infraestrutura e o time, novamente, correndo risco de queda?

- Quando o Cristiano Koehler assumiu como diretor-geral do clube, falou-se em um novo estádio. Há condições de construção?

- Falando no diretor-geral Cristiano Koehler, o que de fato ele e a equipe de diretores já fizeram de positivo para o clube?

NR: Os diretores são: Gustavo Pinheiro (jurídico), Miguel Gomes (administração e planejamento) e Jorge Almeida (financeiro).

- Os salários deles também ficam atrasados como dos atletas e os demais funcionários?

- Somando-se os salários desses diretores, o gasto do clube é de aproximadamente R$ 450 mil (quase R$ 6 milhões/ano, incluindo o 13). Confirma isso? Então, qual o valor?

NR: A reportagem apurou que o diretor-geral é contratado como pessoa jurídica e recebe, na verdade, cerca de R$ 120 mil, mais auxílio moradia de R$ 10 mil. Seus diretores ganham entre R$ 30 mil e R$ 40 mil. No total, estes gastos são entre R$ 220 mil e R$ 250 mil por mês.

- Por conta da crise financeira e nenhuma contratação de impacto, o senhor não acha alto esses salários para o atual momento do Vasco?

- Algumas sugestões já foram feitas pela Comissão Especial de Reforma do Estatuto e será colocada em aprovação no Conselho Deliberativo. O senhor é a favor da reforma do estatuto e dos itens apresentados?

NR: Os principais itens são:  Eleição Direta; Aumento do numero de conselheiros de 300 para 350, sendo 200 eleitos; Aumento do conselho fiscal de três para cinco membros (o que possibilitará maior fiscalização); Criação de um Conselho de Justiça pra tentar evitar expulsões injustas de sócios; Obrigar os mandatários do clube a pedir autorização do Conselho Deliberativo para fechar contratos de patrocínio ou televisionamento que excedam em um ano o seu mandato.

- As franquias das lojas Gigante da Colina são gerenciadas por membros da sua família, amigos e dirigentes do clube?

- O que houve exatamente em relação à tentativa de agressão ao tesoureiro do clube por causa de ingressos para a partida contra o Santos, no Maracanã?

NR: No dia 8 de novembro, conforme o L!Net noticiou, membros de torcidas organizadas tentaram agredir o tesoureiro do clube, Aníbal Curto, por estarem inconformados com a cota de ingressos destinada a eles.

- O senhor é a favor da distribuição de ingressos para as torcidas organizadas, mesmo que seja cobrada meia entrada?

- Essa distribuição de ingressos faz parte de aliança política no clube e na vida de parlamentar?

- O senhor é candidato à reeleição para deputado estadual? Em caso de rebaixamento com o Vasco, esse planejamento muda?

- Como se dividir entre presidente de um dos maiores clubes do Brasil, com a função de parlamentar?

- O senhor está conseguindo dar conta de ser presidente do Vasco e deputado estadual, já que também é um representante do povo?

- Por que o senhor é um dos mais ausentes nas sessões da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro?

NR: Em 96 sessões neste ano, o deputado Dinamite acumula 20 faltas entre fevereiro e outubro, período em que as listas de presenças já foram disponibilizadas pela Alerj, e é o segundo mais faltoso. O deputado Samuquinha (PR) tem 23 ausências. Dinamite soma faltas em todos estes meses. A lista de sessões de novembro ainda não está disponível.

- Por ser o segundo deputado mais faltoso de uma casa que representa o povo, o senhor acredita que possa chamar realmente a atenção dos jogadores que chegam atrasados ou faltam aos treinos, além de casos de indisciplina?

NR: André foi afastado por indisciplina (atraso a treinos) e excessos na noite. Inclusive, foi flagrado pela reportagem do L!Net em uma festa no Rio poucas horas após a invasão de torcedores a São Januário.

- Quais os principais projetos aprovados na Alerj, que de fato beneficiam a população?

- Na sua primeira eleição para deputado, em 1994, o senhor teve uma votação expressiva. Nas eleições seguidas, houve altos e baixos e, na última, uma queda significante. Com a atual situação do Vasco, acredita que pode ser reeleito, haja vista que vascaínos poderão deixar de votar no senhor?

NR: Em 94, Dinamite teve 68.516 votos. Em 2006, a votação caiu para 49.097. Já em 2010, ele teve 39.700 votos, sendo que neste ano já era presidente do Vasco e amargado uma redução de 20%.