icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo
icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo
08/07/2013
10:34

Sincero e realista, Cáceres não viu seu primeiro ano no Flamengo – completado no último sábado – de uma forma muito positiva. Isso se deve, principalmente, ao fato de ter se ausentado dos gramados em várias ocasiões e por diversos motivos. Em sua autoavaliação, ele ressalta que estas questões o atrapalharam a conquistar a vaga cativa no time rubro-negro.

Constantemente convocado para a seleção paraguaia, o volante foi desfalque em diversas partidas. Além disso, ainda teve de conviver um com problema no quadril no início deste ano, que o levou a uma intervenção cirúrgica, ocorrida em abril e que o fez ficar um tempo afastado. Por conta disso, Cáceres só voltou aos treinos com o restante do elenco pouco antes da paralisação do Campeonato Brasileiro.

Recuperado e ganhando a confiança do técnico Mano Menezes, Cáceres demonstra otimismo para que os próximos anos no clube sejam melhores.

– Tive um ano que acho que não foi muito bom. Joguei muito pouco. Fui para seleção, perdi muito jogos e espaço por isso. Sempre que se vai para seleção fica três, quatro jogos fora. Acho que esse ano não foi muito bom, mas espero que os próximos sejam melhores – disse o volante.

Um dos indícios de que essa melhoria na avaliação de Cáceres pode acontecer é que o próprio já garante estar adaptado ao Brasil e gostar muito do Rio de Janeiro.

– Foi um dificuldade (adaptação), até por conta do meu filho, que é muito pequeno. Mas hoje estou adaptado e gosto muito do Rio – ressaltou.

Já sentindo-se em casa, Cáceres ainda tem mais três anos de contrato com o Flamengo. Tempo suficiente para tentar olhar para trás e ver apenas coisas positivas.

Sincero e realista, Cáceres não viu seu primeiro ano no Flamengo – completado no último sábado – de uma forma muito positiva. Isso se deve, principalmente, ao fato de ter se ausentado dos gramados em várias ocasiões e por diversos motivos. Em sua autoavaliação, ele ressalta que estas questões o atrapalharam a conquistar a vaga cativa no time rubro-negro.

Constantemente convocado para a seleção paraguaia, o volante foi desfalque em diversas partidas. Além disso, ainda teve de conviver um com problema no quadril no início deste ano, que o levou a uma intervenção cirúrgica, ocorrida em abril e que o fez ficar um tempo afastado. Por conta disso, Cáceres só voltou aos treinos com o restante do elenco pouco antes da paralisação do Campeonato Brasileiro.

Recuperado e ganhando a confiança do técnico Mano Menezes, Cáceres demonstra otimismo para que os próximos anos no clube sejam melhores.

– Tive um ano que acho que não foi muito bom. Joguei muito pouco. Fui para seleção, perdi muito jogos e espaço por isso. Sempre que se vai para seleção fica três, quatro jogos fora. Acho que esse ano não foi muito bom, mas espero que os próximos sejam melhores – disse o volante.

Um dos indícios de que essa melhoria na avaliação de Cáceres pode acontecer é que o próprio já garante estar adaptado ao Brasil e gostar muito do Rio de Janeiro.

– Foi um dificuldade (adaptação), até por conta do meu filho, que é muito pequeno. Mas hoje estou adaptado e gosto muito do Rio – ressaltou.

Já sentindo-se em casa, Cáceres ainda tem mais três anos de contrato com o Flamengo. Tempo suficiente para tentar olhar para trás e ver apenas coisas positivas.