icons.title signature.placeholder RODRIGO CERQUEIRA - enviado especial
02/06/2014
23:01

Na gelada noite de Curitiba nesta segunda-feira, quando os termômetros marcavam 8 graus, o técnico Levir Culpi, do Atlético-MG, lançou sua biografia. Com a presença de ex-jogadores como Lúcio Flávio, Marcão, e dirigentes como o ex-presidente do Botafogo Bebeto de Freitas, o comandante apresentou "Um burro com sorte?" A publicação tem o prefácio assinado pelo goleiro e ídolo do São Paulo, Rogério Ceni.

A noite foi de homenagem e muita emoção. O técnico Levir Culpi abriu mão de receber qualquer quantia pelo livro. Assim, toda arrecadação com vendas, royalties e patrocinadores será destinado ao Instituto de Pesquisa Pequeno Príncipe, que fica na capital paranaense é também é apadrinhado por Pelé.

Com nome inusitado, Levir tratou logo de explicar para quem não conhecia o motivo deste título do livro. Se trata de uma daquelas histórias que o futebol proporciona, e que hoje não tira o técnico do sério, como aconteceu quando foi chamado de "burro com sorte".

Capa da biografia de Levir Culpi (foto: Rodrigo Cerqueira)

- Essa história aconteceu quando eu treinava o Criciúma, e precisávamos de um empate para avançar para a decisão do Estadual. O jogo era Criciúma x Joinville. Acontece que o Joinville saiu na frente, 1 a 0. Mas nosso time estava muito bem na partida, mas não fazia o gol. Quando acabou o primeiro tempo, um torcedor engraçadinho ficou me xingando muito de burro. E voltei sem mexer no time, falei para os jogadores que só faltava o gol. Na volta do intervalo... A arquibancada era muito perto do campo, o que dava a condição do cara exercer a democracia deste país (risos). E só falava burro, e isso causou um constrangimento com os jogadores do banco. Aos 30 minutos, tive uma daquelas ideias, de um burro com sorte. Tinha um centroavante, o Chicão, que estava embolado dentro da área. Resolvi trocar ele por um meia habilidoso, pensando que ele poderia fazer uma jogada individual, tabelar e marcar. E aconteceu aos 45, fomos para a final - disse Levir, para completar lembrando o que gerou o título do livro:

- Na saída, com a arquibancada perto do campo, "aparece" o diabinho e o anjinho. O diabinho pedindo para você encarar o torcedor e dar uma reposta. O anjinho pedindo calma. Subi os degraus, cheguei perto dele e ele mandou: "Aí sei burro com sorte".

Capa da edição do LANCE! do acesso do Botafogo é destaque (Foto: Rodrigo Cerqueira)

Bebeto de Freitas, ex-presidente do Botafogo, teve a palavra e aproveitou para elogiar a postura de Levir Culpi. Segundo o ex-dirigente, o treinador aceitou o desafio de tirar o Botafogo da Série B. Nem mesmo o mandatário acreditou quando Levir aceitou o desafio, mas fez questão de exaltar o trabalho histórico para o clube.

No lançamento do livro, Levir Culpi, que é natural de Curitiba, também aproveitou para fazer uma exposição de camisas dos clubes pelos quais passou, e de matérias e capas de jornais importantes em sua carreira. Algumas delas eram do LANCE!, e uma que chamava a atenção foi justamente a de quando ele conseguiu o acesso com o Botafogo para a Série A do Campeonato Brasileiro, em 2003.