icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
18/07/2013
11:57

Uma reunião no auditório do Maracanãzinho selou a confirmação da liberação do uso de bumbos e bandeiras, além da postura de torcer sem camisa, nas partidas realizadas no Maracanã. O encontro foi entre o secretário de Esporte e Lazer do estado, André Lazaroni, o Grupamento Especial de Policiamento nos Estádios (Gepe) e representantes da Federação de Torcidas Organizadas do Rio (FTORJ), que conta com membros dos quatro grandes.

- É um novo momento, um novo Maracanã. Espero que os torcedores entendam. Mas o bumbo vai ter, isso sempre existiu, as bandeiras também, mas a violência não faz parte da nossa cultura - avisou André Lazaroni.

A entrada dos objetos será, da mesma forma como era feito anteriormente, vistoriada pelo Gepe.

- O material é levado ao Gepe, analisado antes de entrar e segue algumas regras. Quem está com bandeiras e bumbos já sabe como agir. Isso não traz prejuízo a quem não é das organizadas - contou o subcomandante do Gepe, o major Silvio Luiz.

Apesar da liberdade para torcer dada aos torcedores, o secretário de esporte avisou que a irresponsabilidade, se houver, será punida.

- Não vamos aceitar depredação e vamos identificar quem fizer isso. A gestão é privada, mas o patrimônio continua sendo público. Vamos ter instrumentos para condenar e agir - finalizou.

A reunião foi motivada por uma declaração do presidente do Consórcio Maracanã, João Borba, indicando que não vetaria as bandeiras e instrumentos. Mas o administrador do Maracanã recuou. Está tudo liberado, dentro da civilidade.

Uma reunião no auditório do Maracanãzinho selou a confirmação da liberação do uso de bumbos e bandeiras, além da postura de torcer sem camisa, nas partidas realizadas no Maracanã. O encontro foi entre o secretário de Esporte e Lazer do estado, André Lazaroni, o Grupamento Especial de Policiamento nos Estádios (Gepe) e representantes da Federação de Torcidas Organizadas do Rio (FTORJ), que conta com membros dos quatro grandes.

- É um novo momento, um novo Maracanã. Espero que os torcedores entendam. Mas o bumbo vai ter, isso sempre existiu, as bandeiras também, mas a violência não faz parte da nossa cultura - avisou André Lazaroni.

A entrada dos objetos será, da mesma forma como era feito anteriormente, vistoriada pelo Gepe.

- O material é levado ao Gepe, analisado antes de entrar e segue algumas regras. Quem está com bandeiras e bumbos já sabe como agir. Isso não traz prejuízo a quem não é das organizadas - contou o subcomandante do Gepe, o major Silvio Luiz.

Apesar da liberdade para torcer dada aos torcedores, o secretário de esporte avisou que a irresponsabilidade, se houver, será punida.

- Não vamos aceitar depredação e vamos identificar quem fizer isso. A gestão é privada, mas o patrimônio continua sendo público. Vamos ter instrumentos para condenar e agir - finalizou.

A reunião foi motivada por uma declaração do presidente do Consórcio Maracanã, João Borba, indicando que não vetaria as bandeiras e instrumentos. Mas o administrador do Maracanã recuou. Está tudo liberado, dentro da civilidade.