icons.title signature.placeholder Alexandre Braz
12/02/2015
11:35

A sétima etapa do Circuito Brasil Open de vôlei de praia, realizado na Praia de Cabo Branco, em João Pessoa (PB), no último fim de semana, representou o fim da parceria entre os capixabas Bruno Schmidt e Luciano. Formada em novembro, depois que Alison, parceiro de Bruno passou por uma cirurgia no joelho direito, a dupla disputou quatro torneios juntos, conseguindo um ouro e uma prata. Nas etapas de Fortaleza e na Paraíba, foram eliminados nas quartas de final.

Agora, com o parceiro de dupla recuperado, Bruno não esconde a emoção ao falar do fim da parceria com o amigo e vizinho de Vila Velha (ES). Na despedida, o sobrinho do ex-jogador de basquete Oscar Schmidt, foi só elogios ao estilo de Luciano, que na opinião dele, é parecido com o campeão olímpico Emanuel.

- Eu não gosto nem de pensar nisso, mas chegou o momento da despedida. O Luciano é um amigaço que eu tenho. Ele mostrou que é um jogador top, assimilando tudo de modo perfeito. Fui pego em momento difícil (o da lesão de Alison), e pensei em antecipar minhas férias, mas ainda bem que ele topou porque eu estava louco para jogar. Tomara que ele dê mais passos para frente. Acho que ele é um Emanuel evoluído, sem brincadeira, porque ele mede 1,98m. Se assemelha muito: é leve, forte, rápido, tem um alcance absurdo - disse Bruno, ressaltando o crescimento que o amigo teve nos meses em que jogaram juntos:

- Agora depende dele. Eu passei um pouco da minha competitividade e acho que vai ser importante para a carreira dele. Desde que nos juntamos para agora, já vejo outro Luciano.

Antes de formar dupla com Bruno, Luciano jogava o circuito brasileiro, a segunda divisão do vôlei de praia do país. Feliz pelos feitos alcançados ao lado do amigo, o jogador afirmou que agora estará na torcida para que Schmidt consiga alcançar o objetivo de disputar a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro, deixando claro a intenção dele em reeditar a parceria no futuro.

- Infelizmente, foi a última etapa nossa. Não tem preço. Fazer duas finais, ganhar uma etapa do Brasileiro... O seu nome fica na história. Ele me ensinou muitas coisas. É um cara que pensa na frente, que vai sempre jogar para ganhar etapa. Eu tinha o sonho de jogar com ele e concretizei. Este período abriu uma porta para que, quem sabe, futuramente, essa parceria possa voltar. Meu sentimento agora é que ele vá às Olimpíadas, represente o Brasil e um dia eu possa contar aos meus filhos que joguei com o cara que esteve lá - disse Luciano, que ainda não sabe com quem formará nova dupla:

- Tinha uns nomes na cabeça, mas fizeram boas etapas e foi por água abaixo. Acho que a gente tem um tempo bom, então vou esperar. Estou na vitrine. Esse sucesso, com certeza, abriu muitas portas para mim.

Se Luciano ainda não sabe como e com quem continuará jogando, Bruno e Alison já treinam para as próximas competições. A primeira, um desafio contra duplas norte-americanas no Rio de Janeiro, no fim do mês.