icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
09/11/2013
17:28

Depois de perder para Taipei a Universíade de 2017, Brasília conquistou neste sábado o direito de receber a Olimpíada Universitária em 2019. A capital do Brasil foi favorecida pelas desistências de Baku, no Azerbaijão, e Budapeste, na Hungria. O anúncio foi feito pelo presidente da Federação Internacional de Esporte Universitário (Fisu), o francês Claude-Louis Gallien, na cidade de Bruxelas, na Bélgica.

- Quero ressaltar o prazer dessa vitória, um dia muito feliz para o povo do Distrito Federal e do Brasil. Sediar a Universíade vai proporcionar o desenvolvimento do esporte universitário e a formação da nossa juventude. Mais do que o esporte, é uma oportunidade de desenvolvimento humano. Este era o sonho de muitos anos do desporto universitário do Brasil. Lutamos por dois anos para chegar aqui. Quero agradecer a Fisu pela confiança. E dizer que não vão se arrepender. Vamos fazer uma Universíade fantástica e maravilhosa. Com certeza será um impulso muito grande para todo o esporte universitário da América - afirmou o governador de Brasília, Agnelo Queiroz, em discurso após a vitória.

Aniversariante do dia, o político ganhou um "parabéns pra você" da delegação brasileira em seguida. Antes, ao som de "Garota de Ipanema" em inglês, ele, o ministro do Esporte Aldo Rebelo e o presidente da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) Luciano Cabral assinaram o documento de compromisso para a realização do evento esportivo.

Mais cedo, a delegação brasileira fez a apresentação do projeto em cerca de 50 minutos. O país acabou sendo o único a participar da fase final. Budapeste retirou sua candidatura alegando custos altos para a organização. Baku, por sua vez, já tinha deixado a disputa em outubro para organizar outras competições.

- Hoje é um momento especial e muito feliz para Brasília e para o Brasil. Somos muito gratos ao Comitê Executivo da Fisu por compreenderem nossa candidatura como mais do que um projeto esportivo, mas de uma capital, de um país. O Brasil emerge com a ambição de se tornar uma nação próspera, independente e desenvolvida. Temos uma grande tradição no esporte universitário. Temos aqui uma campeã olímpica e medalhista universitária (a saltadora em distância Maurren Maggi). Essa é uma grande oportunidade de ampliação do esporte universitário e na educação da nossa juventude. Vamos trabalhar duramente para estar dentro das expectativas da Fisu e da juventude do Brasil e do mundo. O governo federal apoiará para que todos os objetivos sejam alcançados - disse Rebelo, em seu discurso.

Além de Maurrem Maggi, também participaram da apresentação os atletas Bárbara (goleira de futebol), Ronald Julião (atletismo) e Rochele Nunes (judô). Os três últimos conquistaram medalhas em julho, na Universíade de Kazan, na Rússia.

Organizada pela Fisu, a Universíade reúne, a cada dois anos, cerca de 12 mil atletas universitários, entre 17 e 28 anos. Brasília tinha tentado receber o evento em 2017, mas acabou derrotada por Taipei, por 13 votos a 9. A edição de 2015 será em Gwangju, na Coreia do Sul.

O Brasil já tinha recebido uma edição da Universíade. Foi em Porto Alegre (RS), em 1963.

Em Kazan, a delegação brasileira obteve o melhor resultado da história ao conquistar 11 medalhas, sendo quatro de ouro, três de prata e quatro de bronze.