icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/11/2013
09:02

Ao mesmo tempo em que os quatro grandes de São Paulo optaram por não incluir no documento assinado junto ao Ministério Público o compromisso de não financiar as organizadas, o torcedor brasileiro enxerga as facções como as maiores responsáveis pela violência no futebol.

O levantamento foi feito pela Stochos e revela que 84,5% dos entrevistados atrelam às organizadas a responsabilidade pela violência. Em volume muito inferior – 8,4% –, a torcida coloca a culpa no poder público e na política de segurança de cada ponto do país.

Considerando só a opinião dos torcedores que vão aos estádios com frequência, o número aumenta em 0,2 pontos percentuais (84,7%).

 RESPONSABILIDADE PELA VIOLÊNCIA, SEGUNDO O TORCEDOR
 
Torcidas organizadas (Torcedores fanáticios) 84,5%
Poder público / Segurança pública 8,4%
Dirigentes dos clubes 1,3%
Falta de educação 1,1%
Álcool/Drogas 0,9%
CBF 0,8%
Outros 3%

– Temos um histórico desde 2008 nesta pesquisa, que mostra o crescimento dessa responsabilidade atribuída às organizadas. As medidas de controle da violência têm sido paliativas, e as organizadas continuam fazendo o que querem nos clubes – conta Cesar Gualdani, sócio-diretor da Stochos.

A pesquisa foi realizada entre os dias 25 de agosto e 30 de setembro deste ano, com 8.112 entrevistados, entre torcedores de 16 e mais de 60 anos. A margem de erro é de 1,1% para mais ou para menos.

Bate-Bola
Flavio Zveiter - Presidente do STJD, ao lance!

Como você vê o resultado desta pesquisa em que a maioria dos torcedores responsabiliza as torcidas organizadas pela violência?
Pessoalmente, não sou contra as torcidas organizadas. Sou contra a presença e as atitudes de alguns marginais que se infiltram nesses grupos. Há um grande volume de confusões no futebol que envolvem as organizadas, então essa associação das pessoas acaba sendo natural.

E o fato de os clubes não terem se comprometido a deixar de financiar as organizadas?
A legislação já prevê que os clubes sejam responsabilizados pelos atos dos torcedores. Tanto que este ano já houve várias punições por isso. A responsabilidade aumenta ainda mais quando os clubes financiam as torcidas.

Como solucionar e até erradicar a violência no futebol?
É preciso aplicação das penas previstas no Estatuto do Torcedor. Tenho visto no Rio de Janeiro um ótimo exemplo disso. Há um Juizado atuante, que aplica as penas devidas, e os casos de brigas dentro do estádios e no entorno sumiram. Quando punidas, as torcidas entendem e respeitam. Pelo que tenho visto, São Paulo está se articulando para seguir esse modelo de aplicação.