icons.title signature.placeholder Rafael Valesi
icons.title signature.placeholder Rafael Valesi
20/07/2013
12:25

Será o duelo da força contra a técnica. Brasil e Bulgária se enfrentarão às 20h (de Brasília) por uma vaga na final da Liga Mundial em Mar del Plata (ARG) com dois sistemas de jogo bem definidos e diferentes. Enquanto a Seleção Brasileira pretende apelar para sua técnica e habilidade, entre os europeus o que deverá prevalecer é o físico, principalmente pela estatura dos búlgaros, em média mais altos do que os brasileiros. 

Uma das estratégias da equipe de Bernardinho será tentar fugir do confronto físico. O levantador Bruninho, capitão da equipe, disse que se a Seleção tentar se equiparar com a Bulgária na força, poderá se dar mal.

- Temos de jogar da mesma maneira como fizemos no Brasil. Não temos que enfrentá-los no bloqueio, e precisamos neutralizar o ponto forte deles, que é o oposto. Temos mais técnica do que eles, e se batermos de frente com eles fisicamente, vamos perder. Espero que a gente possa passar para a final - falou Bruninho, referindo-se às duas vitórias que a Seleção conseguiu sobre o adversário na primeira fase da liga, em Brasília (DF). 

O ponta Lucarelli, que faz sua primeira Liga Mundial como titular do Brasil, tem opinião parecida. Para ele, os búlgaros podem se complicar quando precisarem de habilidade.

- Espero um jogo difícil, como foram os dois na primeira fase em Brasília. Já conhecemos a Bulgária, temos de tentar errar um pouco menos e jogar bolas para o lado de lá, às vezes eles se complicam um pouco nas bolas, isso pode ser uma arma para nós - falou o novato.

Na outra semifinal, às 16h30, Itália e Rússia se enfrentarão no Ginásio Poliesportivo Islas Malvinas, mesmo local de Brasil e Bulgária. Os vencedores farão a final do torneio no domingo.

*O editor viaja a convite da FIVB 

Será o duelo da força contra a técnica. Brasil e Bulgária se enfrentarão às 20h (de Brasília) por uma vaga na final da Liga Mundial em Mar del Plata (ARG) com dois sistemas de jogo bem definidos e diferentes. Enquanto a Seleção Brasileira pretende apelar para sua técnica e habilidade, entre os europeus o que deverá prevalecer é o físico, principalmente pela estatura dos búlgaros, em média mais altos do que os brasileiros. 

Uma das estratégias da equipe de Bernardinho será tentar fugir do confronto físico. O levantador Bruninho, capitão da equipe, disse que se a Seleção tentar se equiparar com a Bulgária na força, poderá se dar mal.

- Temos de jogar da mesma maneira como fizemos no Brasil. Não temos que enfrentá-los no bloqueio, e precisamos neutralizar o ponto forte deles, que é o oposto. Temos mais técnica do que eles, e se batermos de frente com eles fisicamente, vamos perder. Espero que a gente possa passar para a final - falou Bruninho, referindo-se às duas vitórias que a Seleção conseguiu sobre o adversário na primeira fase da liga, em Brasília (DF). 

O ponta Lucarelli, que faz sua primeira Liga Mundial como titular do Brasil, tem opinião parecida. Para ele, os búlgaros podem se complicar quando precisarem de habilidade.

- Espero um jogo difícil, como foram os dois na primeira fase em Brasília. Já conhecemos a Bulgária, temos de tentar errar um pouco menos e jogar bolas para o lado de lá, às vezes eles se complicam um pouco nas bolas, isso pode ser uma arma para nós - falou o novato.

Na outra semifinal, às 16h30, Itália e Rússia se enfrentarão no Ginásio Poliesportivo Islas Malvinas, mesmo local de Brasil e Bulgária. Os vencedores farão a final do torneio no domingo.

*O editor viaja a convite da FIVB