icons.title signature.placeholder Carlos Antunes e Luis Fernando Coutinho
24/02/2015
12:48

A bomba dos casos de doping de Anderson Silva que se desenrolaram nas últimas semanas seguida do péssimo desempenho dos lutadores brasileiros no UFC de Porto Alegre, no último domingo, o que representou um recorde negativo na história do UFC no Brasil, trouxeram um clima tenebroso para o fã tupiniquim. Será que o MMA vive um inferno astral no país? Talvez não seja para tanto. A partir de março, começa uma maratona de disputas de cinturão envolvendo brasileiros que pode recolocar o país no topo do esporte no mundo e recuperar o prestígio dos atletas junto ao povo. Mas, segundo levantamento do LANCE!Net, uma coisa é certa: até aqui, 2015 representa o pior início de ano da história do país desde 2011.

Neste ano, do dia 1º de janeiro até o dia 23 de fevereiro - salvo os confrontos o Brasil x Brasil - atletas tupiniquins somaram dez vitórias e dez derrotas em 20 combates contra rivais estrangeiros. Um aproveitamento de 50%. Isso não acontece desde o mesmo período em 2011, que contou com seis lutas, três vitórias e três derrotas, mas não somou evento em solo brasileiro, caracterizado por ter muitas lutas Brasil x Resto do Mundo - o retorno do UFC ao país foi só em agosto daquele ano.

Em relação a 2012, 2013 e 2014, o início de temporada destes anos contaram pelo menos um show no país, o que equilibrou as condições dos períodos para tais resultados. A queda de produção se confirma ao avaliar que o aproveitamento que foi de 81,5% em 2012 caiu para 50% em 2015.

Vitor Belfort comemora vitória no UFC 142, em janeiro de 2012 (FOTO: Getty Images)

Confira a lista com os resultados Brasil x Mundo de 1º de janeiro a 23 de fevereiro:
2011 - 6 Lutas - 3 Vitórias e 3 Derrotas (50% de aproveitamento)
2012 - 16 Lutas - 13 vitorias e 3 derrotas (81,5% de aproveitamento)
2013 - 19 Lutas - 13 vitórias e 6 derrotas (68,5% de aproveitamento)
2014 - 20 Lutas - 12 vitórias e 8 derrotas (60% de aproveitamento)
2015 - 20 Lutas - 10 vitórias e 10 Derrotas (50% de aproveitamento) 

Vale lembrar que os dados levantados incluem apenas as apresentações de lutadores brasileiros contra adversários estrangeiros no período de 1º de janeiro até 23 de fevereiro dos últimos anos. Se o começo da temporada foi ruim, o cenário pode mudar logo. De março até julho, Rafael Dos Anjos, Renan Barão, Vitor Belfort, Fabricio Werdum e José Aldo entram em ação em disputas de cinturão contra Anthony Pettis, TJ Dillashaw, Chris Weidman, Cain Velásquez e Conor McGregor e podem colocar o Brasil no topo do UFC com cinco títulos da organização se tiverem 100% de aproveitamento em seus confrontos. Vale a torcida! 

Dos Anjos encara Pettis para iniciar virada brasileira no UFC (FOTO: Divulgação)