icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
04/04/2014
10:07

Um dos fatores que têm dificultado a vida do Botafogo na Libertadores e que acabaram contribuindo para a vexatória participação no Campeonato Carioca é pouca quantidade de gols marcados. E o rendimento aquém de alguns jogadores pode explicar o desempenho decepcionante.

Os números de Lodeiro, por exemplo, são sintomáticos a respeito da ineficácia do ataque. Visto como um dos principais jogadores do Alvinegro, o meia não fez um gol sequer em 2014. Dos nove gols marcados pelo time, na Libertadores, até o momento – quatro na primeira fase e cinco na de grupos – o camisa 14 participou, diretamente, de apenas um, quando deu a assistência. Muito pouco para quem é responsável por municiar o ataque e ainda chegar na frente para finalizar.

O último gol de Lodeiro foi na derradeira rodada do Campeonato Brasileiro do ano passado, na vitória de 3 a 0 sobre o Criciúma. De lá para cá, o apoiador participou de 12 jogos.

Agora, com um jogo de vida ou morte na Argentina, contra o San Lorenzo, na quarta-feira, Lodeiro terá mais uma chance de dar a volta por cima. Pelo menos, é assim que pensa o goleiro e capitão Jefferson.

– É nessa hora que os jogadores experientes crescem. Há essa mescla de jovens com experientes. Estamos cientes do que precisamos fazer na Argentina – disse o camisa 1, ressaltando o papel que os jogadores mais experientes, como ele próprio, podem exercer sobre os garotos, neste momento de decisão.

– Temos de mostrar para o grupo que somos qualificados, fortes, e que não chegamos aqui à toa. Não caímos de paraquedas. Temos capacidade de ganhar o jogo. Não podemos apontar erro de ciclano ou fulano. É hora de abraçar, trabalhar junto. Temos de buscar a classificação.

Jorge Wagner também em branco na Libertadores

Não é apenas Lodeiro que vem tendo dificuldade em balançar as redes pela equipe alvinegra. Além dele, o camisa 10 Jorge Wagner ainda não fez gols na Libertadores deste ano. O apoiador até marcou em 2014, mas foram apenas três vezes, sendo que dois em cobranças de pênalti e um de falta. Todos eles em jogos do Campeonato Carioca.

Na competição sul-americana, ao menos, Jorge Wagner tem chegado mais perto do objetivo do que o companheiro de criação. Na partida contra o Independiente del Valle (EQU), no Maracanã, ele acertou o travessão em duas oportunidades.