icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/06/2014
20:54

A Argélia lutou, dificultou e muito a vida da Alemanha, mas caiu. Caiu de pé no Beira-Rio. A atuação diante da poderosa adversária, três vezes campeã do Mundo, deixou jogadores e comissão técnica orgulhosos. Foi o que garantiu o zagueiro Bougherra, um dos líderes do elenco, após o duelo desta segunda-feira.

– Estou orgulhoso da partida que fiz, das pessoas, de toda a equipe. Trabalhamos duro, tivemos uma boa condição... Acho que mostramos que a Argélia tem uma grande equipe, tem que ser respeitada e que o valor dos jogadores argelinos tem que aumentar no mundo inteiro – disse o camisa 2, que foi titular, como capitão, diante de Bélgica e Coreia do Sul e entrou no decorrer da partida contra a Alemanha.

Bougherra seguiu o seu raciocínio destacando que a Argélia não deixou de buscar o empate que levaria o jogo para os pênaltis. Segundo ele, não faltou dedicação por parte dos comandados de Vahid Halilhodžić.

– E se a gente pode falar do bom futebol, estávamos perdendo de 1 a 0, depois atacamos, nos últimos cinco minutos eles fizeram mais um gol, nós também fizemos um... Tentamos de todas as formas... Desejamos um bom ramadã para todos os argelinos. Tentamos de tudo – destacou Bougherra, que defende o Lekhwiya Sports Club, do Qatar.

Bougherra ainda destacou o bom desempenho da Argélia neste Mundial. Foi a primeira vez que as Raposas do Deserto avançaram às oitavas de final. Em 1982, a classificação quase veio, enquanto nos Copas seguintes (1986 e 2010), a Argélia decepcionou.

– Com certeza foi uma grande experiência para a equipe. É uma experiência positiva na Copa do Mundo, já que nós vínhamos de experiências negativas. Temos cinco, seis anos para melhorar. Como disse, estou muito orgulhoso da minha equipe. Estou ficando velho, mas espero ainda acompanhar o time – completou o jogador, que disputou a Copa da África do Sul e tem 31 anos.