icons.title signature.placeholder Alexandre Braz e Rodrigo Ciantar
26/06/2014
07:02

Ainda não é garantido que Dória permanecerá em General Severiano no restante desta temporada, mas o Botafogo segue resistindo ao assédio. Nesta semana, a diretoria recusou uma proposta de compra de parte dos direitos econômicos do zagueiro, feita pela empresa Elenko, que pretendia colocá-lo no Santos. A oferta foi inferior ao valor que o clube exige.

O Santos contava com ajuda do grupo de investimentos para conseguir viabilizar a contratação do zagueiro, que agrada bastante ao técnico Oswaldo de Oliveira, comandante dele durante duas temporadas no próprio Botafogo. Com a recusa, a ida do atleta para o Peixe se tornou ainda mais complicada.

O Glorioso até aceita vender o defensor, pois precisa urgentemente de dinheiro em caixa para equilibrar as finanças do clube (atualmente, jogadores e funcionários estão com salários atrasados). Mas tenta resistir, até que algum clube ofereça o valor da multa.

A multa rescisória, por 100% dos direitos econômicos de Dória, é de pouco mais de R$ 60 milhões. Mas a proposta do grupo seria para comprar apenas a parte do Botafogo, que atualmente é de 40%. O restante pertence a dois diferentes grupos de investimentos – 40% de um e 20% de outro.

Titular absoluto da zaga botafoguense desde 2012, Dória, nas duas últimas temporadas, vem sendo observado por clubes europeus. A pouca idade dele (apenas 19 anos) colabora para este grande interesse de estrangeiros.

Mas há mercado também no Brasil. De olho na frágil condição financeira do Botafogo, alguns clubes começaram a acompanhar de perto a situação de Dória. São Paulo e Santos surgiram como grandes interessados, mas, mesmo assim, o valor pedido pelo Botafogo é alto para os padrões brasileiros.


Clube cedeu 10% de Dória como garantia por empréstimo

A Elenko queria comprar a parte dos direitos de Dória que pertence ao Botafogo. Oficialmente, o clube detém 40%. Mas, atualmente, 10% desta fatia estão ligados à própria empresa de investimentos. O clube cedeu este percentual como garantia de pagamento de uma dívida.

No início deste ano, o Botafogo pegou um empréstimo de cerca de R$ 3 milhões com a Elenko. O dinheiro foi utilizado para pagar salários atrasados.

Como garantia, o Botafogo "cedeu" 10% dos diretos de Dória. Caso o clube pague o débito com a empresa, este percentual volta a ser do Alvinegro. Mas, até o momento, isso não foi feito.

Ou seja, caso o Botafogo aceitasse a proposta feita pela Elenko, receberia apenas um valor referente a 30% dos direitos do zagueiro.