icons.title signature.placeholder Paulo Victor Reis
04/02/2015
08:03

O Botafogo tem cerca de R$ 3,5 milhões a receber referentes à venda de pacotes de pay-per-view. Este dinheiro será repassado ao clube em duas parcelas, sendo a primeira delas no fim deste mês e a outra em março.

De volta ao Ato Trabalhista em dezembro do ano passado, o Glorioso ainda enfrenta dificuldades para ter as receitas que lhe são de direito. O presidente Carlos Eduardo Pereira explicou a situação ao LANCE!.

– Os pagamentos ao clube são feitos por meio do juízo centralizador, que analisa e nos repassa o saldo, depois de recolher a parcela do Ato Trabalhista. Esta é a mecânica – disse.

Os pagamentos não caem diretamente nos cofres do clube. Eles são enviados primeiro para uma conta judicial. Depois, o juiz responsável libera uma quantia ao clube.

Fora do Ato em grande parte de 2014, o Botafogo sofreu com penhoras e salários atrasados. Os jogadores e a comissão técnica passaram vários meses sem receber no ano passado.

Conforme o que ficou estabelecido pela volta ao Ato, o Alvinegro tem de pagar R$ 750 mil nestes três primeiros meses – janeiro, fevereiro e março – para quitar dívidas trabalhistas. Este trimestre é o início de um período de dez anos, prazo limite para que o clube pague R$ 200 milhões em débitos do gênero.