icons.title signature.placeholder Alexandre Braz
02/12/2013
10:15

Com muita tranquilidade e sem Seedorf, que foi à São Paulo gravar um programa de TV, o Botafogo desembarcou por volta das 9h30 da manhã desta segunda-feira, no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio. A delegação alvinegra vinda de Curitiba, depois de ser derrotado pelo Coritiba por 2 a 1, no domingo, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro, não foi recepcionada por nenhum torcedor. Apenas alguns curiosos pararam para observas a chegada dos botafoguenses.

Apesar do clima de paz, o abatimento no rosto dos jogadores era nítido. Assim que deixaram o saguão de desembarque, a delegação entrou rapidamente em um ônibus (não era o do clube), que os aguardava do lado de fora do Aeroporto e deixaram o local. Existia a preocupação com possibilidade de novos protestos de torcidas organizadas ocorressem. Depois da derrota para o Internacional, em Caxias do Sul, torcedores recepcionaram os jogadores com ovadas e xingamentos. Em seguida, seguiram o time para o Engenhão onde encontraram com os jogadores, que lhes prometeram a vaga na Copa Libertadores.

Com a situação complicada para atingir a meta de conseguir a vaga na Copa Libertadores do ano que vem, já que ocupa a quinta colocação na tabela de classificação com 58 pontos, faltando uma rodada para o término da competição, o zagueiro Bolívar disse ainda acreditar na conquista do objetivo. Para isso, afirmou que o time precisará da ajuda dos céus.
 
- Não era o resultado que esperávamos, pela importância que tinha, pela possibilidade de deixarmos encaminhada a conquista desta vaga na Libertadores. Sabemos que precisamos vencer o Criciúma, mas também dependemos de resultados paralelos aos nossos. Mesmo perdendo para o Coritiba, acabamos beneficiados mais uma vez pelos resultados dos nossos rivais. Se for para acontecer vai ser. Vamos continuar trabalhando e se Deus estiver do nosso lado novamente quem sabe não conseguimos esta vaga na Libertadores - disse o zagueiro, destacando a entrega do time em campo diante do Coxa.

- A equipe não deixou de correr, de lutar, o torcedor que assistiu ao jogo pôde ver. Já temos de pensar no domingo. Sabemos que a possibilidade existe ainda. Não basta vencer, precisamos torcer por outros.

No restante do dia os jogadores estão de folga. Na terça, às 9h, ele se reapresentam no Engenhão e iniciam os trabalhos para o jogo de domingo, às 17h, contra o Criciúma, no Maracanã, pela 38ª rodada do Brasileirão.