icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/07/2013
15:24

Poucos jogadores têm o luxo de escolher entre Manchester United e Real Madrid, dois dos maiores clubes do mundo. Com as vendas de Cavani, Falcao e Neymar, o dilema do galês Gareth Bale, craque do Tottenham que é alvo da cobiça do vice-campeão espanhol e do atual campeão inglês, passa a ser uma das principais histórias do mercado europeu.

Credenciado por ter ganhado os dois principais prêmios individuais do futebol britânico na última temporada, o de melhor jogador e melhor jogador jovem da Premier League (feito que apenas dois outros jogadores conseguiram - Andy Gray e Cristiano Ronaldo), o jogador vem negociando uma renovação de contrato com os Spurs. Caso assine, Bale vai passar a receber 150 mil libras (R$ 509 mil) por semana. Ainda que seja um salário astronômico, times como Real Madrid e Manchester United podem oferecer cifras ainda mais assombrosas pelo jogador.

Na Inglaterra, especula-se que o galês deve ficar no Tottenham mais uma temporada e depois mudar de ares - mais precisamente para o Real Madrid, já que o Manchester United é um rival local.

 - Ficaria muito surpreso se ele saísse já nessa janela. A expectativa é que ele fique, mas o Tottenham vai sofrer. Real Madrid e Manchester United vão subir ainda mais as ofertas, já que ainda não contrataram nenhum grande nome e estão em fase de transição, precisam assinar um craque, e este jogador é Bale - diz o editor do jornal inglês "Daily Mail", John Edwards.

RELAÇÕES FAZEM A DIFERENÇA

Além da vontade do jogador, outro fator que pode ajudar o Real na briga com o United é a relação com o próprio Tottenham. Ambos os times fizeram negócios recentes com os Spurs, mas apenas os espanhóis saíram da mesa de negociação deixando boas impressões.

No último verão europeu, Real Madrid e Tottenham travaram uma intensa batalha por Luka Modric. O croata, então jogador dos Spurs, pediu para sair e o Real fez propostas e mais propostas, todas rejeitadas pelos ingleses. Nos últimos dias da janela, porém, os clubes chegaram a um acordo, que se estendeu para outros campos. A relação, em teoria, é de harmonia e amizade entre as duas diretorias.

O mesmo não pode ser dito sobre o Manchester United. Em 2008, o búlgaro Berbatov era o grande craque do Tottenham. Os Red Devils passaram o verão europeu todo negociando com o clube e o negócio foi fechado com alguns minutos restando para o fechamento da janela de transferências. Ele foi o jogador mais caro da história dos Red Devils, custando 30,75 milhões de libras (R$ 104,2 milhões) mais o empréstimo de Frazier Campbell. O búlgaro deixou o clube em 2012, por cinco milhões de libras (R$ 17 milhões).

Mesmo assim, o jeito como a negociação saiu não agradou aos dirigentes dos Spurs, que se sentiram obrigados a liberar Berbatov. O presidente Daniel Levy ainda guarda mágoas do United em relação ao ocorrido nesse caso e, cinco anos depois, isso pode prejudicar o campeão inglês, cada vez mais desesperado para trazer um grande nome para o início do trabalho de David Moyes.

Berbatov e Modric, que saíram do Tottenham para jogar em United e Real, respectivamente (Fotos: Arquivo L!)


COM A PALAVRA
John Edwards, editor do "Daily Mail"

"A expectativa que se tem aqui na Inglaterra é que Gareth Bale vá ficar mais uma temporada no Tottenham. Eu acho que ele faz certo. É jovem e tem muito tempo ainda para se mudar para um grande time. Ficando mais um ano na Premier League, jogando como protagonista, creio que ele vá crescer muito, como atleta e como homem.

O problema que pode ocorrer é o United chegar com uma proposta irrecusável. O campeão nacional tem buscado uma grande contratação e está frustrado - o Real Madrid não está liberando Cristiano Ronaldo, Fàbregas quer ficar no Barcelona e Thiago Alcântara escolheu o Bayern. Esse desespero é perigoso para o Tottenham. Ele seria uma contratação maravilhosa para o Manchester, com sua velocidade e poder de decisão.

Ainda assim, não vejo os Spurs vendendo Bale para o Manchester United. Ele é um rival direto na Premier League e as relações entre os clubes não são as melhores."

Poucos jogadores têm o luxo de escolher entre Manchester United e Real Madrid, dois dos maiores clubes do mundo. Com as vendas de Cavani, Falcao e Neymar, o dilema do galês Gareth Bale, craque do Tottenham que é alvo da cobiça do vice-campeão espanhol e do atual campeão inglês, passa a ser uma das principais histórias do mercado europeu.

Credenciado por ter ganhado os dois principais prêmios individuais do futebol britânico na última temporada, o de melhor jogador e melhor jogador jovem da Premier League (feito que apenas dois outros jogadores conseguiram - Andy Gray e Cristiano Ronaldo), o jogador vem negociando uma renovação de contrato com os Spurs. Caso assine, Bale vai passar a receber 150 mil libras (R$ 509 mil) por semana. Ainda que seja um salário astronômico, times como Real Madrid e Manchester United podem oferecer cifras ainda mais assombrosas pelo jogador.

Na Inglaterra, especula-se que o galês deve ficar no Tottenham mais uma temporada e depois mudar de ares - mais precisamente para o Real Madrid, já que o Manchester United é um rival local.

 - Ficaria muito surpreso se ele saísse já nessa janela. A expectativa é que ele fique, mas o Tottenham vai sofrer. Real Madrid e Manchester United vão subir ainda mais as ofertas, já que ainda não contrataram nenhum grande nome e estão em fase de transição, precisam assinar um craque, e este jogador é Bale - diz o editor do jornal inglês "Daily Mail", John Edwards.

RELAÇÕES FAZEM A DIFERENÇA

Além da vontade do jogador, outro fator que pode ajudar o Real na briga com o United é a relação com o próprio Tottenham. Ambos os times fizeram negócios recentes com os Spurs, mas apenas os espanhóis saíram da mesa de negociação deixando boas impressões.

No último verão europeu, Real Madrid e Tottenham travaram uma intensa batalha por Luka Modric. O croata, então jogador dos Spurs, pediu para sair e o Real fez propostas e mais propostas, todas rejeitadas pelos ingleses. Nos últimos dias da janela, porém, os clubes chegaram a um acordo, que se estendeu para outros campos. A relação, em teoria, é de harmonia e amizade entre as duas diretorias.

O mesmo não pode ser dito sobre o Manchester United. Em 2008, o búlgaro Berbatov era o grande craque do Tottenham. Os Red Devils passaram o verão europeu todo negociando com o clube e o negócio foi fechado com alguns minutos restando para o fechamento da janela de transferências. Ele foi o jogador mais caro da história dos Red Devils, custando 30,75 milhões de libras (R$ 104,2 milhões) mais o empréstimo de Frazier Campbell. O búlgaro deixou o clube em 2012, por cinco milhões de libras (R$ 17 milhões).

Mesmo assim, o jeito como a negociação saiu não agradou aos dirigentes dos Spurs, que se sentiram obrigados a liberar Berbatov. O presidente Daniel Levy ainda guarda mágoas do United em relação ao ocorrido nesse caso e, cinco anos depois, isso pode prejudicar o campeão inglês, cada vez mais desesperado para trazer um grande nome para o início do trabalho de David Moyes.

Berbatov e Modric, que saíram do Tottenham para jogar em United e Real, respectivamente (Fotos: Arquivo L!)


COM A PALAVRA
John Edwards, editor do "Daily Mail"

"A expectativa que se tem aqui na Inglaterra é que Gareth Bale vá ficar mais uma temporada no Tottenham. Eu acho que ele faz certo. É jovem e tem muito tempo ainda para se mudar para um grande time. Ficando mais um ano na Premier League, jogando como protagonista, creio que ele vá crescer muito, como atleta e como homem.

O problema que pode ocorrer é o United chegar com uma proposta irrecusável. O campeão nacional tem buscado uma grande contratação e está frustrado - o Real Madrid não está liberando Cristiano Ronaldo, Fàbregas quer ficar no Barcelona e Thiago Alcântara escolheu o Bayern. Esse desespero é perigoso para o Tottenham. Ele seria uma contratação maravilhosa para o Manchester, com sua velocidade e poder de decisão.

Ainda assim, não vejo os Spurs vendendo Bale para o Manchester United. Ele é um rival direto na Premier League e as relações entre os clubes não são as melhores."