icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/11/2014
23:40

Um pênalti marcado com poucos segundos de jogo. Mas o Boca Juniors não aproveitou a chance de ouro deixada pela segundo Superclássico da semifinal da Copa Sul-Americana. O River Plate, ao contrário, cresceu, despachou o rival por 1 a 0, se garantindo na final do torneio, nesta quinta-feira, no Monumental de Núñez. Na Bombonera, na semana passada, os gigantes não saíram no zero.

Invicto, o atual campeão argentino enfrentará o Atlético Nacional, da Colômbia a partir da próxima quarta-feira. O time portenho decide em casa.

O relógio não tinha dado a primeira volta no ponteiro e o Boca Juniors já tinha um pênalti para bater. Gigliotti foi para a cobrança. Herói, o goleiro Barovero fez a defesa que mudou os rumos do clássico.

Gigliotti deve ter cruzado com um gato preto ou passado debaixo de uma escada antes de colocar os pés no Monumental. O atacante do Boca Juniors ainda perderia duas chances claras, na frente do gol. Para piorar, quando acertou, teve o gol mal anulado pelo árbitro Germán Delfino.


E MAIS
> Diário Olé: Festa Monumental

O River Plate, num dos seus poucos momentos de perigo do primeiro tempo abriu o placar numa jogada bem ensaiada. Vangioni apareceu na esquerda e rolou para o meio. Pisculichi emendou numa finalização certeira.

Perigoso no primeiro tempo, o Boca Juniors não conseguiu mais pressionar o rival na segunda etapa. A equipe visitante foi se perdendo em faltas duras e substituições desesperadas.

Com espaço, o River melhorou e trabalhou no corredor cedido pelo adversário. No final, foi só esperar o apito final e soltar a euforia contida com a primeira série vencida sobre o Boca em mata-matas.